Jesus, que foi questionado quanto à sua idoneidade por comer com corruptos e pecadores, agora revela mais um lampejo de quem ele realmente é: o Noivo.

Quando alguns indagam por que os discípulos de João Batista jejuam e seus discípulos não, Jesus estabelece uma distinção clara entre o passado e o presente. Não faz sentido os convidados do noivo jejuarem enquanto o noivo está com eles. A mensagem para qualquer bom entendedor judeu é clara. No Antigo Testamento Deus é chamado de noivo. Aqui Jesus anuncia também sua morte: viria um dia quando o noivo seria tirado. Isso mostra que sua morte não foi um acidente da história, mas algo que fazia parte de um plano maior.

As pessoas precisam entender que até João Batista vigorou uma forma de Deus tratar com o homem. Até ali o homem foi testado sob a lei dada a Moisés, e ficou claro que ninguém seria capaz de ser salvo obedecendo aos mandamentos. Jesus, o Filho de Deus, era o único capaz de obedecer, e ali estava ele prestes a trocar de lugar conosco. Ele se colocaria no lugar que nós merecíamos estar — sob o juízo de Deus e na morte — e nos colocaria no lugar de onde veio e onde não merecíamos estar: o céu.

Mas não seria possível receber isso misturando a velha forma de Deus tratar com o homem — a Lei do Antigo Testamento — com a nova — a graça ou favor imerecido. Não seria possível tentar ser salvo por boas obras quando Deus queria salvar por graça, independente da conduta ou boas obras. Tentar misturar as coisas seria como costurar remendo de pano novo em vestido velho. O rasgo ficaria ainda maior. Ou guardar vinho novo, ainda fermentando, em sacos de couro velho, que já não tinham elasticidade.

Não é justamente isso que as religiões cristãs tentam fazer emprestando coisas do Antigo Testamento? Não emprestam apenas a ideia da salvação pela obediência aos mandamentos, mas também elementos exteriores do culto a Deus. Você não encontra na doutrina dos apóstolos, revelada em suas cartas, coisas como templos, clero e sacerdotes fazendo o meio de campo entre Deus e os homens, usando colarinhos e vestes distintas para se diferenciarem daqueles a quem chamam de “leigos”. Você também não encontra altares, incenso, rituais… a lista é interminável. Leia as cartas dos apóstolos e verá que existe uma diferença enorme entre o que os primeiros cristãos faziam e esse cristianismo fantasiado de judaísmo que existe por aí.

A diferença entre a salvação por boas obras e a graça — entre judaísmo e cristianismo — é tão grande quanto a diferença entre a morte e a vida.

Por Mario Persona

.

Condições de uso: Os textos do blog Leia a Bíblia podem ser copiados e utilizados livremente em correspondência, escolas, blogs e sites pessoais. Vedada a reprodução por empresas, igrejas, veículos de comunicação corporativos e programas de rádio/TV. Favor citar a fonte.

.

Comentários: Fique à vontade para comentar. Serão publicados os comentários com base bíblica e fundamentação lógica. Opiniões pessoais, questões doutrinárias, ataques pessoais, citações nominais, assuntos fora do texto bíblico, comentários sem base bíblica, textos copiados de outros sites e blogs bem como assuntos fora do tema do blog serão deletados. O assunto aqui é SÓ A BÍBLIA ou assuntos diretamente relacionados ao texto bíblico. Obrigado por comentar.


Comentários:


  1. Ro disse:

    ola a paz do Senhor , os mandamentos foram escritos pelo dedo de Deus ,e Ele é eterno lindo esta parte bíblica “(deuteronômio 6:4.9)
    a lei tem a função definida de mostrar o pecado ,não salva
    a lei é mencionada 223 vezes no novo testamento ,a graça 184 vezes .não existiria a graça se não houvesse a lei ,as 2 nasceram na mente Divina
    estamos sobre a condenação da lei ,por causa da graça de Jesus ,seu sangue cobre os nosso pecados de forma que a lei não pode nos condenar
    mais seus mandamentos é sagrados e devemos segui lo assim prova que amamos nosso Deus e santo sábado será o selo de Deus no fim dos tempos

  2. Antonio disse:

    Deus só deu a lei porque os judeus queriam, insistiram para isso, assim como juízes. O Senhor queria tratar direto como o homem, sem “mediadores”, mas o homem não quis. Em Sua infinita bondade Deus se fez homem e desceu até este homem pecaminoso, na pessoa do Senhor Jesus, para ser o único mediador, mas ainda há homens que optam pela lei.


Comente!

(*)Campos de preenchimento obrigatório