O livro do Apocalipse tem sempre sido um desafio para os seus intérpretes. Esse livro é cheio de imagens vívidas e simbolismo, que muitas pessoas têm interpretado de forma diferente, dependendo das suas pressuposições do livro como um todo. Há quatro abordagens principais para interpretar o livro de Apocalipse: 1) Preterista (que vê todos ou quase todos os eventos no livro de Apocalipse como já tendo ocorrido antes do fim do primeiro século); 2) Historicista (que vê o livro de Apocalipse como uma análise da história da Igreja dos tempos apóstolicos até o presente); 3) Idealista (que vê o livro de Apocalipse como uma representação da luta entre o bem e o mal); 4) Futurista (que vê o livro de Apocalipse como profético dos eventos que hão de vir). Dos quatro, apenas a abordagem futurista interpreta o livro de Apocalipse com o mesmo método gramático-histórico que o resto das Escrituras. Esse método também se encaixa melhor com a declaração do livro de Apocalipse de ser profecia (Apocalipse 1:3; 22:7, 10, 18, 19).

Então, a resposta para a pergunta: “quem são os 144,000?” vai depender de qual abordagem de interpretação você usa para o livro de Apocalipse. Com exceção da abordagem futurista, todos as outras abordagens interpretam os 144.000 simbolicamente, como sendo representativos da Igreja, e o número “144,000” é simbólico da totalidade – quer dizer, do número completo – da Igreja. Mesmo assim, ao ler a passagem de forma literal: “Então, ouvi o número dos que foram selados, que era cento e quarenta e quatro mil, de todas as tribos dos filhos de Israel” (Apocalipse 7:4), não há nada nessa passagem que encoraje a interpretação dos 144.000 de qualquer outra forma que não seja um número literal de 144.000 judeus, 12.000 tirados de cada tribo dos “filhos de Israel”. O Novo Testamento não oferece nenhum texto bem definido para substituir Israel com a Igreja.

Esses judeus foram “selados”, o que significa que eles têm uma proteção especial de Deus de todos os julgamentos divinos e do anticristo para que possam executar a sua missão durante o período da Tribulação (veja Apocalipse 6:17, em cuja passagem pessoas vão desejar saber quem vai poder suster-se da ira que há de vir). O periodo da Tribulação é um futuro período de sete anos no qual Deus vai executar julgamento divino a todo aquele que O rejeitou, e completar seu plano de salvação para a nação de Israel. Tudo isso acontecerá de acordo com a revelação de Deus ao profeta Daniel (Daniel 9:24-27). Os 144.000 judeus são uma espécie de “primícias” (Apocalipse 14:4) de um Israel remidido, o qual tem sido profetizado anteriormente (Zacarias 12:10; Romanos 11:25-27), e sua missão é evangelizar o mundo após o arrebatamento e proclamar o evangelho durante o período da Tribulação. Como resultado do seu ministério, milhões (“Depois destas coisas, vi, e eis grande multidão que ninguém podia enumerar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, em pé diante do trono e diante do Cordeiro, vestidos de vestiduras brancas, com palmas nas mãos”) vão ter fé em Cristo (Apocalipse 7:9).

Muito da confusão em relação aos 144.000 é o resultado das falsas doutrinas das Testemunhas de Jeová. As Testemunhas de Jeová clamam que 144.000 é um limite ao número de pessoas que vão reinar com Cristo no céu e passar a eternidade com Deus. Os 144.000 têm o que as Testemunhas de Jeová chamam de esperança celestial. Aqueles que não são nascidos de novo vão gozar do que eles chamam de esperança terrestre – um paraíso na terra governado por Cristo e os 144.000. Podemos ver claramente que o ensinamento das Testemunhas de Jeová funda uma sociedade casta depois da morte com uma classe dominante (os 144.000) e aqueles que são dominados. A Bíblia não ensina uma doutrina de “dupla classe”. É verdade que de acordo com Apocalipse 20:4 haverá pessoas reinando no Milênio com Cristo. Essas pessoas serão da Igreja (seguidores de Jesus Cristo), santos do Velho Testamento (seguidores que morreram antes do primeiro Advento de Cristo) e os santos da Tribulação (aqueles que aceitam a Cristo durante o período da Tribulação). Mesmo assim, a Bíblia não coloca nenhum limite numérico a esse grupo de pessoas. Além do mais, o Milênio é diferente do Estado Eterno, o qual vai ocorrer no final do Milênio. Naquela hora, Deus vai habitar conosco na Nova Jerusalém. Ele será o nosso Deus, e seremos o seu povo (Apocalipse 21:3). A herança prometida a nós em Cristo e selada pelo Espírito Santo (Efésios 1:13-14) será nossa e seremos todos co-herdeiros com Cristo (Romanos 8:17).

Fonte: http://www.gotquestions.org/Portugues/144000.html

Deus os abençoe a todos.

A Paz de Cristo!

Germano Luiz Ourique


Comentários:


  1. Nathan disse:

    Nossa! Muito o bom o post. Estava lendo esta passagem ontem e achei muito interessante. Foi bom ter lido este post, pois, por se tratar de um livro bastabte complexo, deu para entender melhor esta passagem. Que Deus te abençoe mais e mais!

  2. Paula G. disse:

    Essas coisas são lindissimas, parabens pelas explicações a Paz!

  3. Yana disse:

    Que post maravilhoso e explicativo!! Deus o abençoe…
    “Eu era cego, mas agora eu vejo” (João 9:25)

  4. Gostei do texto, Germano. Somente alguns comentarios: O Livro de Apocalipse foi escrito em meados de 80, 90 da Era Comum (ou Depois de Cristo). Vivemos em 2011, o que nos leva a crer que podemos sim levar em consideração que as profecias podem ser aplicadas no presente? Creio que podem sim, pois temos evidencias de que estamos nos ‘ultimos dias, dificil de manejar’(1 Timoteo 3:1-5);
    Agora, quem são os 144.000? Apocalipse 14 nos dá uma resposta:” 1 E eu vi, e eis o Cordeiro em pé no monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, que têm o nome dele e o nome de seu Pai escrito nas suas testas. 2 E ouvi um som vindo do céu, como o som de muitas águas e como o som de forte trovão; e o som que eu ouvi era como de cantores ao acompanhamento de harpas, tocando as suas harpas. 3 E estão cantando como que um novo cântico diante do trono e diante das quatro criaturas viventes e dos anciãos; e ninguém podia aprender esse cântico, exceto os cento e quarenta e quatro mil que foram comprados da terra. 4 Estes são os que não se poluíram com mulheres; de fato, são virgens. Estes são os que estão seguindo o Cordeiro para onde quer que ele vá. Estes foram comprados dentre a humanidade como primícias para Deus e para o Cordeiro, 5 e não se achou falsidade na sua boca; não têm mácula.”
    Apocalipse 7:4 tb nos diz que eles forem Selados por Deus, de toda a tribo de Israel.
    O que nos leva a uma pergunta: Quem é essa Israel que tanto se fala? Será que somente 144 mil judeus sque se salvarão? Ou será essa Israel uma outra? A Biblia mesmo nos responde: Ela fala sobre o Israel de Deus. mas o que seria o Israel de DEus?
    Israel de Deus
    Esta expressão, encontrada somente uma vez nas Escrituras, refere-se ao Israel espiritual, em vez de aos descendentes raciais de Jacó, cujo nome foi mudado para Israel. (Gên 32:22-28) A Bíblia fala do “Israel de modo carnal” (1Co 10:18), bem como do Israel espiritual, composto daqueles para os quais descender de Abraão não é um requisito. (Mt 3:9) O apóstolo Paulo, ao usar a expressão “o Israel de Deus”, mostra que esta nada tem que ver com se a pessoa é ou não um descendente circuncidado de Abraão. — Gál 6:15, 16.
    O profeta Oséias predisse que Deus, ao rejeitar a nação do Israel natural em favor desta nação espiritual, que inclui gentios, diria ‘aos que não eram seu povo: “Tu és meu povo”’. (Os 2:23; Ro 9:22-25) No tempo devido, o Reino de Deus foi tirado da nação dos judeus naturais e dado a uma nação espiritual que produzia os frutos do Reino. (Mt 21:43) Não há dúvida de que o Israel espiritual inclui judeus naturais. Os apóstolos e outros que receberam espírito santo em Pentecostes de 33 EC (cerca de 120), os acrescentados naquele dia (cerca de 3.000), e os que mais tarde engrossaram tais números para cerca de 5.000, eram todos judeus e prosélitos. (At 1:13-15; 2:41; 4:4) Mas, mesmo assim eram, como Isaías os descreveu, “um mero restante” salvo daquela nação rejeitada. — Is 10:21, 22; Ro 9:27.
    Outros textos explanam este assunto. Com a remoção de alguns “ramos naturais” da oliveira figurada, houve um enxerto de ramos ‘bravos’ de não-israelitas, de modo que não havia nenhuma distinção racial ou classista entre os que ‘são realmente descendente de Abraão, herdeiros com referência a uma promessa’. (Ro 11:17-24; Gál 3:28, 29) “Nem todos os que procedem de Israel são realmente ‘Israel’.” “Porque não é judeu aquele que o é por fora, nem é circuncisão aquela que a é por fora, na carne. Mas judeu é aquele que o é no íntimo, e a sua circuncisão é a do coração, por espírito.” (Ro 9:6; 2:28, 29) O Israel natural deixou de produzir o número exigido, de modo que Deus “voltou a sua atenção para as nações, a fim de tirar delas um povo para o seu nome” (At 15:14), a respeito do qual se disse: “Vós, outrora, não éreis povo, mas agora sois povo de Deus.” (1Pe 2:10) O apóstolo Pedro citou o que havia sido dito ao Israel natural e o aplicou a este Israel espiritual de Deus, dizendo que é, em realidade, uma “raça escolhida, sacerdócio real, nação santa, povo para propriedade especial”. — Êx 19:5, 6; 1Pe 2:9.
    As 12 tribos mencionadas em Revelação (Apocalipse), capítulo 7, têm de referir-se a este Israel espiritual, por vários motivos válidos. A listagem não é igual à do Israel natural, em Números, capítulo 1. Também, o templo e o sacerdócio de Jerusalém, e todos os registros tribais do Israel natural, foram destruídos de forma permanente, sendo perdidos para sempre, muito antes de João ter tido sua visão, em 96 EC. Mais importante, porém, é que João obteve sua visão tendo por fundo os acontecimentos supracitados que ocorreram a partir de Pentecostes de 33 EC. À luz de tais eventos, a visão de João sobre os que estavam em pé no Monte Sião celestial, junto com o Cordeiro (a quem o Israel natural rejeitara), revelava que o número deste Israel espiritual de Deus era de 144.000 “comprados dentre a humanidade”. — Re 7:4; 14:1, 4.

    Se tiverem mais duvidas, me contatem… nao sei se posso deixar meu email, entao nao vou deixar. Mas, Germano, é um ótimo trabalho abnegado o que faz, de pregar as boas novas do Reino, eu o admiro muito

  5. Brunaa disse:

    Gostei muito, tinha muitas duvidas sobre este assunto, que vcs sejam cada vez mais usados por Deus! Gob Bless!

  6. LUCIANO disse:

    Em Apocalipse 7 a Biíblia diz que os 144.00 são de todas as tribos de Israel, só que 10 tribos foam estintas durante o cativeiro Assírio 2 Reis 17, não tem como serem assinalos.

  7. Leandro disse:

    Excelente post. Muito esclarecedor com sempre.

  8. Rosa Maria disse:

    muito bom o post, porem, eu vejo que a verdade
    é só uma!! E essa verdade o Espirito Santo de Deus vai revelar dentro dos corações que verdadeiramente anseiam por uma verdade única

  9. Renata Nicaelen disse:

    Adorei ;)

  10. Venceslau disse:

    Porque você não publicou meu comentário?

  11. germano disse:

    Venceslau,
    Porque não foi um comentário, foi uma pergunta que eu não entendi. Mandei ontem para você um e-mail com o seguinte conteúdo:

    Prezado Venceslau,

    Eu até gostaria de responder a você, mas preciso que primeiro você responda:
    O que significa, especificamente, “refutar a esperança terretre”?
    Aguardo.

    Germano Luiz Ourique

    Peço que você responda o e-mail para que eu possa publicar seu comentário e respondê-lo, ok?

  12. andre disse:

    ola caro amigo! a interpretaçao da biblia certamente e muito dificio eu mesmo ja questionei varias teorias de varias religioes e conclusao que cheguei e simples ame a teu procimo como ati mesmo e a deus sobre todas as coisas.a verdade e que muitas perguntas nao tem respostas e se ficarmos esperando as tais nao chegaremos a lugar nenhum e fechar os olhos e abrir o coraçao.
    E a respeito dos 144.000 a explicaçao que as testemunhas de jeova me deram( com todo respeiyo ao seu artigo) achei mais esclarecedora.Mesmo assim parabens por dedeicar tempo adeus.

  13. janderlando disse:

    só uma curiosidade:
    -João muda nos nomes das tribos quando as relacionam e apocalipse. ele retira as tribos de Dã e Efraim, e Inclui José e Levi.
    O curioso é que Jacó ao conhecer os filhos de José os adotou como seus filhos, por isso em israel não ouve uma tribo com o nome de josé mas sim com os nomes dos seus filhos, Manassés e Efraim, mas o nome de efraim não consta no apocalipse, como também não consta o nome de dã. lo lugar de dã entrou o nome de Levi, que também não era uma tribo de israel, porque era um povo separado por Deus para cuidar do tabernáculo.

  14. janderlando disse:

    quando pegamos a sequencia dos nomes citados por João em Apocalipse e substituimos pelo seu significado, temos uma mensagem de libertação do povo que permanecerá fiel até o fim e que não se contaminou com falsas doutrinas.
    quer saber que mensagem é ? pesquise, vá estudar a palavra de Deus amados!

  15. Roberto Lino Rodrigues disse:

    Os 144.000 são a noiva de Jesus que governarão no milenio sobre uma grande multidão .

  16. LUziene Duarte disse:

    Que bom que achei este site. Foi bem claro e objetivo para meus questionamentos.

  17. jucilene disse:

    Gostei. Bem explicado.


Comente!

(*)Campos de preenchimento obrigatório