Orar é se reconhecer fraco, incapaz e dependente de Deus. Nada disso o agrada, pois desde criança você foi ensinado a ser independente e, quando adulto, passou a consumir livros de autoajuda. Orar é ir contra essa tendência natural; é a negação da autossuficiência.

Jesus ensina que orar não é ficar repetindo palavras como fazem os pagãos. Não é entoar sons hipnóticos como os mantras tibetanos ou usar de palavras mágicas ou fórmulas secretas para liberar algum tipo de energia cósmica. A oração não é o Shazamou Abracadabrado cristão. Orar é comungar com Deus nossas necessidades, sentar-se ao lado dele e conversar sobre elas.

Mas por que orar se Deus sabe de antemão o que precisamos ou vamos pedir? Porque ele quer enxergar dependência em nós e porque gosta quando conversamos com ele. Deus é bom ouvinte. Orar é fazer o caminho inverso de Adão e Eva no Éden. Eles quiseram ser independentes de Deus, autossuficientes e donos de seus próprios destinos. A oração nos coloca de volta em nosso devido lugar.

Antes de ensinar a oração conhecida como “Pai Nosso”Jesus condenou a mera repetição de palavras, portanto o “Pai Nosso”não é uma oração para ser repetida. Trata-se de um modelo de como devemos orar. Não é “o que”, mas “o como”.

Primeiro vem o reconhecimento da posição que Deus ocupa, no céu — acima de nós — e de sua santidade, palavra que significa separação do mal. Equivale reconhecer que os nossos interesses particulares podem não ser os interesses de Deus, que vê o cenário todo de cima e sabe o que é melhor para nós.

Esta é a razão da expressão “venha o teu reino”e não o contrário. Os interesses do céu devem prevalecer sobre os da terra. Primeiro reconhecermos o que Deus é, e que ele tem a primazia. Depois pedimos para o suprimento das necessidades físicas e de proteção, intercalados com um pedido de perdão.

Esse perdão não é o perdão judicial de nossos pecados, que recebemos por graça e pela fé em Jesus. Aqui é uma espécie de perdão parental. É a condição momentânea para recebermos o que pedimos. É como se o seu pai dissesse: “Meu filho, você não vai ganhar a bicicleta enquanto não fizer as pazes com sua irmãzinha”.

Mas como perdoar? Com o perdão de quem já foi perdoado. Aí sim, o perdão judicial, absoluto. Para entender melhor isso, veja como o apóstolo Paulo coloca o perdão em sua Carta aos Colossenses: “Perdoem como o Senhor lhes perdoou”(Cl 3:13). Do ponto de vista judicial, só consigo perdoar porque fui perdoado.

Você já foi perdoado de todos os seus pecados? Esse perdão pleno e absoluto só é possível porque Jesus morreu em seu lugar e ressuscitou para sua justificação. A primeira coisa que Deus quer lhe dar é o perdão, portanto esta é a primeira coisa que você deve pedir, se ainda não tem a certeza de ter sido completamente perdoado.

Por Mario Persona

.

Condições de uso: Os textos do blog Leia a Bíblia podem ser copiados e utilizados livremente em correspondência, escolas, blogs e sites pessoais. Vedada a reprodução por empresas, igrejas, veículos de comunicação corporativos e programas de rádio/TV. Favor citar a fonte.

.

Comentários: Fique à vontade para comentar. Serão publicados os comentários com base bíblica e fundamentação lógica. Opiniões pessoais, questões doutrinárias, ataques pessoais, citações nominais, assuntos fora do texto bíblico, comentários sem base bíblica, textos copiados de outros sites e blogs bem como assuntos fora do tema do blog serão deletados. O assunto aqui é SÓ A BÍBLIA ou assuntos diretamente relacionados ao texto bíblico. Obrigado por comentar.


Comente!

(*)Campos de preenchimento obrigatório