‘’Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos, ou que beberemos, ou com que nos vestiremos?  (Porque todas estas coisas os gentios procuram). De certo vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas estas coisas; mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal’’. – (Mateus 6:31-34)

Ao aceitarmos Jesus, passamos a ter uma noção da dimensão do amor de Deus. Não podemos e jamais poderemos compreendê-lo em sua totalidade, mas os detalhes mais triviais acabam por revelar um cuidado e zelo para conosco que nos seria impossível experimentar fora do alcance de Sua graça.

É animador e confortante saber que mesmo que cometamos as tolices que nos são tão características, o amor de Deus ultrapassa e se sobrepõe a todo o mal que o homem possa nos fazer. Debaixo da misericórdia de Deus estamos permanentemente seguros e protegidos, inclusive de nós mesmos. Nossos erros e pecados nos fazem aprender lições que não seriam aprendidas de outra forma, e assim crescemos como cristãos durante todo este percurso chamado vida. Continue lendo »


Recapitulando, vimos que as sete cartas às igrejas de Apocalipse representam sete períodos do testemunho cristão na terra, quatro deles permanecendo até a vinda de Cristo. A última carta, que representa o último e atual período da cristandade, é Laodiceia, cujas características dificilmente seriam consideradas ruins aos olhos humanos. Como mandam as regras do politicamente correto, ela não é fria nem quente, mas morna, isto é, procura agradar a todos. Ela é autossuficiente e gloria-se de seus feitos, ao contrário de Filadélfia, que se mostra dependente da Palavra de Deus, exalta o nome de Jesus e é elogiada pelo Senhor, não por si mesma.

Mas os feitos de Laodiceia, que podem parecer grande coisa a quem se deixa impressionar por números e cifrões, servem apenas para causar repulsa no Senhor. Ele está a ponto de vomitá-la de sua boca. “Miserável, digno de compaixão, pobre, cego e nu” (Ap 3:17). Esta é a opinião que Jesus tem do testemunho cristão hoje no mundo. É sempre bom lembrar que, enquanto a igreja é a noiva de Cristo, formada apenas pelos verdadeiros salvos, o testemunho cristão inclui todos os que professam o nome de Jesus, verdadeiros ou falsos. Após o arrebatamento da igreja — os verdadeiros salvos — os falsos serão a Babilônia, a noiva infiel que se prostitui com os poderes do mundo e passa a perseguir o remanescente de judeus que se converterá após o arrebatamento.

Na continuação do capítulo 3 de Apocalipse você encontra Jesus do lado de fora dessa cristandade corrupta, batendo à porta em busca de comunhão individual, já que coletivamente Laodiceia é um desastre e representa os últimos dias antes da vinda da apostasia e do anticristo. O arrebatamento é tipificado logo após a carta a Laodiceia, no primeiro versículo do capítulo 4 de Apocalipse, que diz: “Depois dessas coisas olhei, e diante de mim estava uma porta aberta no céu. A voz que eu tinha ouvido no princípio, falando comigo como trombeta, disse: ‘Suba para cá, e lhe mostrarei o que deve acontecer depois dessas coisas’”. Continue lendo »


Germano, a bíblia nos fala, acho que em romanos, que toda autoridade é escolhida por Deus. No caso de pessoas como Hitler, Deus teria dado permissão?

Deus não deu permissão, Ele ordenou: Romanos 13:1 – “TODA a alma esteja sujeita às potestades superiores; porque NÃO HÁ POTESTADE QUE NÃO VENHA DE DEUS; e AS POTESTADES QUE HÁ FORAM ORDENADAS POR DEUS.”

.

Um evangélico pode ser médico? Se Deus cura, por que existe a necessidade de médicos?

Um evangélico pode ser médico?

Resposta:Não há nada na Bíblia impedindo. Obs: Lucas era médico.

Se Deus cura, por que existe a necessidade de médicos?

Resposta: Paulo tinha um “espinho na carne” e Deus não fez nada, este recomendou a Timóteo que tomasse vinho com água para as enfermidades do estômago. O mundo está repleto de gente com unha encravada, pedra na vesícula e caspa. Isso de “Deus cura” não é bíblico.

.

Deus realiza os desejos até das pessoas em pecado?

Deus não é um “gênio da lâmpada mágica” que realiza desejos, Deus executa os Seus planos. Leia a Bíblia para saber quais são. Continue lendo »


No final do século 18 a ideia da maioria dos cristãos era de que a igreja seria a continuação de Israel, depois de os judeus terem rejeitado seu Messias e Rei. Sendo assim, as promessas feitas a Israel, que incluíam uma herança terrena e prosperidade material, teriam passado a valer para a igreja. O protestantismo continuava com a mesma estratégia adotada pelo catolicismo de cristianizar o mundo e prepará-lo para a vinda do Rei Jesus. O clero e o uso de elementos do judaísmo no culto cristão continuaram entre os cristãos reformados.

No início do século 19, cristãos de diferentes denominações passaram a examinar “todos os dias as Escrituras, para ver se tudo era assim mesmo”, como tinham feito os bereanos de Atos 17:11. O Espírito Santo abriu o entendimento deles para compreenderem e resgatarem verdades há muito esquecidas, começando com a vocação celestial da igreja. Eles entenderam que as promessas feitas a Israel na antiguidade continuavam a valer para o povo terreno de Deus, enquanto a igreja, um mistério que ficara escondido dos profetas do Antigo Testamento, era algo novo que tinha suas promessas no céu, e não na terra.

Isto implicava, pela primeira vez em séculos, no reconhecimento do povo judeu como herdeiro das promessas e da terra que lhe fora destinada por Deus. Tais ideias batiam de frente com a crença e prática adotadas até então por católicos e protestantes, que historicamente perseguiram, desterraram e mataram judeus. Se você está surpreso de eu incluir o protestantismo nisto, faça uma busca por um texto de Martinho Lutero intitulado “Sobre os judeus e suas mentiras”. O resgate da verdade do lugar de Israel nas promessas de Deus teve desdobramentos significativos, como os milhares de judeus salvos da ocupação nazista por cristãos do sul da França e a própria fundação do estado de Israel em 1948. Continue lendo »