“Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós. Alimpai as mãos, pecadores; e, vós de duplo ânimo, purificai os corações.” Tiago 4:8

O perdão de Deus nos possibilita uma nova vida. Através deste ato de bondade compreendemos que somos indignos de Sua graça e misericórdia, as quais nos deixam constrangidos e sedentos por mudanças que evidenciem Seu Espírito em nós, nos estimulando a buscar santidade para que estejamos cada vez mais perto do Senhor, tomando atitudes que O glorifiquem, nutrindo pensamentos que O agradem e proclamando palavras edificantes, de forma que o Seu nome seja louvado através de nós.

Quando aceitamos Jesus como nosso Senhor e Salvador não há nada capaz de nos separar deste amor infinito e infalível. Tendo a certeza da salvação, a maior de todas as dádivas e que jamais poderíamos alcançar por méritos próprios, nos apaixonamos cada vez mais por Cristo, quem Ele é e o que Ele ensina, e então a leitura bíblica torna-se uma fonte de inesgotável de satisfação e consolo enquanto estamos neste mundo corrompido.

Todas as dádivas que o Senhor nos reserva estão embasadas em Seu caráter misericordioso e benevolente, e uma vez resgatados jamais poderemos voltar à escuridão que outrora nos era tão comum e natural. Ainda assim, muitos receiam se aproximar de Deus por medo ou retraimento e preferem continuar no pecado, acreditando que estão se escondendo de Deus em suas práticas e negligenciando a salvação que nos é oferecida pela graça. Continue lendo »


A crucificação de Jesus é o ponto alto da história de ódio do pecador por seu Criador. Até este momento os homens pensavam estar no controle da situação, e o próprio Jesus lhes havia dito: “Esta é a hora de vocês, quando as trevas reinam” (Lc 22:53). Mas Deus, que até aqui parecia indiferente a tudo o que faziam ao seu Filho, apaga a luz. Homem algum poderia evitar que o sol do meio dia se tornasse em trevas. Aquele era também um sinal de que Deus abandonava Jesus ali para assumir os nossos pecados como se fossem seus, e pagar por todos eles. Por isso ele declara profeticamente no Salmo 69:4: “Sou forçado a devolver o que não roubei”.

Não existe vida para o homem do lado de cá da cruz e da morte. É preciso estar em Cristo, ter morrido ali com ele e ressuscitado ao terceiro dia, para receber vida nova. Na cruz Deus colocou um ponto final na raça dos filhos de Adão para iniciar uma nova criação que está além da morte, onde a verdadeira vida começa.

O Filho de Deus se fez Filho do Homem para, por sua morte, poder transformar em filhos de Deus aqueles que nasceram filhos de homens. O que tinha vida em si mesmo, veio ao mundo morrer para dar vida aos que estavam mortos em delitos e pecados. Aquele que tinha seu lar no céu desceu à terra para dar um lar no céu a nós, criaturas da terra. Continue lendo »


Germano, nada do Antigo Testamento vale pra nós?

Tudo do Antigo Testamento vale para nós. A questão é: “Vale PARA QUÊ?”

Uma maneira objetiva de descobrirmos qual o sentido de um versículo ou passagem bíblica, é fazermos as seguintes perguntas em relação àquela passagem:

– QUEM disse isto?

– O QUE foi dito?

– QUANDO isto foi dito?

– COMO isto foi dito?

– ONDE isto foi dito?

– PORQUE isto foi dito?

– PARA QUEM isto foi dito?

Pegue, por exemplo, Êxodo 4:11-12 – “E disse-lhe o SENHOR: Quem fez a boca do homem? Ou quem fez o mudo, ou o surdo, ou o que vê, ou o cego? Não sou eu, o SENHOR? Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar.”

As respostas seriam: Continue lendo »


Quando alguém pega a promessa de Jesus ao ladrão arrependido, de que estariam juntos naquele mesmo dia no Paraíso, e junta com Atos 2:27, que previa que Cristo não ficaria no hades, e ainda acrescenta 1 Pedro 3:19 e 4:6 ao pacote, a confusão fica completa. Como já expliquei, hades não é um lugar físico, mas o estado de separação do corpo quando a pessoa morre. Sua alma e espíritos continuam vivos e despertos com Cristo no céu, no caso dos salvos, ou longe de Cristo e sofrendo nessa condição, no caso dos perdidos. Mas vamos ler a passagem em 1 Pedro 2:5; 3:19 e 4:6, inserindo algumas explicações no texto para facilitar sua compreensão.

“[Deus] não poupou o mundo antigo quando trouxe o dilúvio sobre aquele povo ímpio, mas preservou Noé, pregador da justiça, e mais sete pessoas… [Jesus] foi morto no corpo, mas vivificado pelo Espírito, no qual [Espírito] também foi e pregou [por intermédio de Noé] aos espíritos [que agora estão] em prisão que há muito tempo desobedeceram, quando Deus esperava pacientemente nos dias de Noé, enquanto a arca era construída… Por isso mesmo o evangelho foi pregado também aos [que hoje estão] mortos, para que eles, mesmo julgados no corpo segundo os homens, vivam pelo Espírito segundo Deus” (1 Pe 2:5; 3:19; 4:6). Continue lendo »