Ao entrar na cidade de Cafarnaum, um centurião romano — um comandante das tropas romanas que tinham invadido a Judeia — vem ao encontro de Jesus para pedir-lhe um favor. Isso equivalia a um comandante nazista pedir um favor a um francês na França ocupada pela Alemanha na 2ª Guerra.

A prontidão de Jesus em acatar o pedido mostra o quanto ele está acima de qualquer ideologia política. Muito sangue foi derramado em dois mil anos de história da cristandade por cristãos que quiseram conquistar o poder político neste mundo. Jesus não se opõe a César, o invasor romano. Ele não veio conquistar um território, mas salvar pessoas. O inimigo não é o imperador romano, o inimigo é o poder das trevas, Satanás.

O favor que o romano pede é que Jesus cure seu servo. “Eu irei”, diz Jesus (Mt 8:7). A reação do centurião surpreende. Primeiro ele diz que sua casa não é digna de que Jesus entre nela. Se você se considera digno de receber a visita de Jesus, ainda não entendeu quem ele é. Continue lendo »


Jesus inicia o seu ministério de curas e milagres para provar suas credenciais. Israel esperava pelo Messias, e Deus queria mostrar que Jesus era o prometido, aquele que tinha poder sobre as enfermidades, a morte e os elementos.

A primeira cura é a do leproso, o que tem grande significado para nós porque a lepra, na Bíblia, é uma figura do pecado. Nascemos pecadores, e se você quiser receber qualquer coisa de Deus deve começar pela cura de seu pecado para ser salvo.

Isso só é possível porque Jesus morreu em seu lugar para sofrer a pena que você deveria sofrer no lago de fogo por toda a eternidade. Ele substituiu você no juízo divino, ressuscitou e agora todo aquele que crê nele como Salvador recebe a vida eterna. De graça.

A lepra deixa a pessoa insensível à dor, por isso o leproso acaba se ferindo o tempo todo sem perceber. Um simples sapato apertado pode causar uma ferida grave sem que o leproso perceba, e a infecção pode levar à amputação ou até à morte por gangrena. O pecado também é assim: nos torna insensíveis e indiferentes às suas graves consequências A Bíblia diz que, com o pecado, a morte entrou na Criação e todos pecaram. Continue lendo »


Onde você está construindo sua casa — sua vida —, na rocha ou na areia? Jesus compara aquele que lhe dá ouvido, que coloca em prática o que ele diz, ao homem prudente, que constrói sua casa sobre a rocha. E a Rocha é ele próprio, Jesus.

Muita gente acha as palavras de Jesus bonitas e motivadoras, mas quantos realmente o levam a sério? Não basta você escutar as palavras de Jesus, é preciso crer nele como Salvador e aplicar essas palavras à sua própria vida.

É comum encontrar nos lares e nas empresas uma Bíblia aberta em algum trecho bonito. Será a Palavra de Deus o alicerce de quem vive ou trabalha ali, ou é apenas um objeto de decoração? Ou, talvez, algum tipo de amuleto para espantar a má sorte e trazer prosperidade?

Quem realmente crê em Jesus irá fundamentar toda a sua vida nele e em sua Palavra. Ele é a Rocha eterna, o único terreno seguro no temporal. Construir sua vida sobre qualquer outro alicerce é ser insensato, como o que constrói sobre a areia. Quando vem o tsunami não sobra nada. Uma construção sólida exige a sondagem do terreno, ensaios de resistência do solo e perfurações em busca da rocha onde o alicerce possa se apoiar. Você já fez esse tipo de pesquisa em sua própria vida? Você já se questionou para saber se está construindo sua vida sobre uma base que irá permanecer no final? Continue lendo »


“Outrossim, o reino dos céus é semelhante ao homem, negociante, que busca boas pérolas; e encontrando uma pérola de grande valor, foi, vendeu tudo quanto tinha, e comprou-a.” Mateus 13:45-46

Valores invertidos parecem ter se tornado regra na existência humana. Geralmente baseamos nossos conceitos de certo e errado através da Bíblia, que nos mostra a verdadeira sabedoria expondo o que agrada ou desagrada a Deus. O grande problema é que cada vez mais indivíduos nem sequer leem este livro que é, ironicamente, o mais afamado de todos os tempos.

Nos afastamos dos princípios bíblicos que promovem paz, discernimento e santidade, priorizando outros veículos informativos de conteúdo muitas vezes duvidosos ou abomináveis à luz do evangelho. Estamos tão acostumados ao pecado que nos tornamos cauterizados quanto a sua gravidade.

Lutamos para nutrir nosso ego a todo custo, nos esquecendo de que enquanto o fazemos ferimos a nós mesmos. Deus, em Seu infinito amor, quer o melhor para nós e por isso enviou Seu único filho para nos trazer a salvação e nos possibilitar viver junto a Ele eternamente. Não desperdicemos esta oportunidade de nos render, pois é a única que temos. Continue lendo »