Autor: Malaquias 1:1 identifica o autor do Livro de Malaquias como sendo o profeta Malaquias.

Quando foi escrito: O livro de Malaquias foi escrito entre 440 e 400 aC.

Propósito: O livro de Malaquias é um oráculo: “Sentença pronunciada pelo SENHOR contra Israel, por intermédio de Malaquias” (1:1). Esta foi a advertência de Deus através de Malaquias para dizer ao povo a voltar-se para Deus. Enquanto o último livro do Antigo Testamento se encerra, o pronunciamento da justiça de Deus e a promessa de Sua restauração através da vinda do Messias estão soando nos ouvidos dos israelitas. Quatrocentos anos de silêncio passam, mas esse período termina quando o próximo profeta de Deus, João Batista, transmite uma mensagem semelhante e proclama: “Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus” (Mateus 3:2).

Versículos-chave: Malaquias 1:6: “O filho honra o pai, e o servo, ao seu senhor. Se eu sou pai, onde está a minha honra? E, se eu sou senhor, onde está o respeito para comigo? -diz o SENHOR dos Exércitos a vós outros, ó sacerdotes que desprezais o meu nome. Vós dizeis: Em que desprezamos nós o teu nome?”

Malaquias 3:6-7: “Porque eu, o SENHOR, não mudo; por isso, vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos. Desde os dias de vossos pais, vos desviastes dos meus estatutos e não os guardastes; tornai-vos para mim, e eu me tornarei para vós outros, diz o SENHOR dos Exércitos; mas vós dizeis: Em que havemos de tornar?”

Resumo: Malaquias escreveu as palavras do Senhor ao povo escolhido de Deus que tinha se desviado, especialmente aos sacerdotes que tinham abandonado ao Senhor. Os sacerdotes não estavam levando a sério os sacrifícios que deviam fazer a Deus. Animais com defeitos estavam sendo sacrificados, embora a lei exigisse animais sem defeito (Deuteronômio 15:21). Os homens de Judá estavam sendo desleais às esposas de sua juventude e se perguntando por que Deus não aceitava os seus sacrifícios. Além disso, as pessoas não estavam oferecendo o dízimo da forma em que deviam (Levítico 27:30, 32). Entretanto, apesar do pecado do povo e de se afastarem de Deus, Malaquias reitera o amor de Deus por Seu povo (Malaquias 1:1-5) e Suas promessas de um mensageiro que estava por vir (Malaquias 2:17 – 3:5).

Prenúncios: Malaquias 3:1-6 é uma profecia a respeito de João Batista. Ele era o mensageiro do Senhor, enviado para preparar o caminho (Mateus 11:10) para o Messias, Jesus Cristo. João pregava arrependimento e batizava no nome do Senhor, preparando assim o caminho para o primeiro advento de Jesus. Porém, o mensageiro que vem “de repente para o Templo” é o próprio Cristo na Sua segunda vinda, quando Ele vier em poder e glória (Mateus 24). Naquele tempo, Ele vai “purificar os filhos de Levi” (v. 3), o que significa que aqueles que exemplificaram a lei mosaica também precisariam de purificação do pecado através do sangue do Salvador. Só então eles serão capazes de oferecer “uma oferta em justiça”, pois será a justiça de Cristo imputada a eles através da fé (2 Coríntios 5:21).

Aplicação Prática: Deus não se agrada quando não obedecemos aos Seus mandamentos. Ele recompensará aqueles que O ignoram. Quanto a Deus odiando o divórcio (2:16), Deus leva muito a sério a aliança de casamento e não quer que ela seja quebrada. Devemos permanecer fiéis ao cônjuge de nossa juventude por toda vida. Deus vê o nosso coração, então Ele sabe quais são as nossas intenções; nada pode ser escondido dEle. Ele voltará e será o juiz. No entanto, se voltarmo-nos a Ele, Ele voltará para nós (Malaquias 3:6).

Fonte: http://gotquestions.org/portugues/Livro-de-Malaquias.html

Tenham uma ótima quarta-feira, pessoal.

A Paz de Cristo!

Germano Luiz Ourique


Comentários:


  1. Claudio Marins disse:

    Mais um resumo de texto abençoado, que tem me ajudado, e muito, em meu entendimento das sagradas escrituras. Vocês podiam criar uma versão “mobile” do site para quem se conecta mais por esses meios. Paz.

  2. Georges disse:

    Acho sinceramente que você perdeu um bom tempo em não apresentar corretamente a mensagem de Malaquias. O livro foi escrito como uma advertência, principalmente, aos sacerdotes, que administravam mal a Casa de Deus (repete-se várias vezes a expressão “a vós, ó sacerdotes”). O contexto histórico mostra a dispersão e afrouxamento religiosos, causado pelos maus sacerdotes, que por sua vez obrigava os levitas a regressarem para suas casas e abandonarem o serviço de Deus; por isso a promessa de restauração e o convite a “fazer prova” de Deus, quando Ele abriria as janelas do céu e abençoaria novamente a Terra de Israel. E nesse contexto a descoberta de que 3:9, 10 é para os líderes e não para o povo, ou seja, está aí um ensinamento que pode abrir muitos entendimentos a respeito de quem é ladrão na obra de Deus. Dizer que “as pessoas não estavam oferecendo o dízimo da forma em que deviam” é um erro básico de interpretação, pois quem estava roubando eram os sacerdotes, não o povo, e infelizmente isso é o que os “líderes” atuais ensinam, jogando a responsabilidade que é deles para a congregação. Lamentável.

  3. sol disse:

    George concordo plenamente com vc.

  4. o livro de Malaquias nos ensina a não permanecer embaixo da cobertura espiritual desses sacerdotes que deshonra a Deus pois eles não tem bençãos pra nos dá porque desobedecem Deus transforma as bençãos em maldições.por isso Jesus disse;errais;não conhecendo as escrituras nem o poder de Deus.mt 22:29quanto as maldições o próprio Deus diz em Malaquias2:1-2Agora ó sacerdotes,para vósoutros é este mandamento.Se não ouvirdes e se não propuserdes no vosso coração dar honra ao meu nome,diz o Senhor dos exércitos,enviarei sobre vós a maldição e amaldiçoarei as vossas;já as tenho amaldiçoado.


Comente!

(*)Campos de preenchimento obrigatório