Autor: Moisés foi o autor do livro de Levítico.

Quando foi escrito: O Livro de Levítico foi escrito entre 1440 e 1400 AC.

Propósito: Porque os israelitas haviam sido mantidos em cativeiro no Egito durante 400 anos, o conceito de Deus tinha sido distorcido pelos egípcios pagãos e politeístas. O objetivo de Levítico é fornecer instruções e leis para orientar um povo pecador, mas redimido, em seu relacionamento com um Deus santo. Há uma ênfase em Levítico na necessidade de santidade pessoal em resposta a um Deus santo. O pecado deve ser expiado através da oferta de sacrifícios próprios (capítulos 8-10). Outros temas abordados no livro são dietas (alimentos puros e impuros), o parto e doenças que são cuidadosamente regulamentadas (capítulos 11-15). O capítulo 16 descreve o Dia da Expiação, neste dia um sacrifício anual é feito pelo pecado cumulativo de todas as pessoas. Além disso, o povo de Deus deve ser discreto na sua vida pessoal, moral e social, em contraste com as práticas atuais e pagãs ao seu redor (capítulos 17-22).

Versículos-chave: Levítico 1:4: “E porá a mão sobre a cabeça do holocausto, para que seja aceito a favor dele, para a sua expiação.”

Levítico 17:11: “Porque a vida da carne está no sangue. Eu vo-lo tenho dado sobre o altar, para fazer expiação pela vossa alma, porquanto é o sangue que fará expiação em virtude da vida.”

Levítico 19:18: “Não te vingarás, nem guardarás ira contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o SENHOR.”

Resumo: Os capítulos 1-7 esboçam as ofertas exigidas, tanto dos leigos como dos sacerdotes. Os capítulos 8-10 descrevem a consagração de Arão e seus filhos para o sacerdócio. Os capítulos 11-16 são as instruções para os vários tipos de impureza. Nos 10 capítulos finais encontramos as orientações de Deus ao Seu povo para a santidade prática. Várias festas foram instituídas como adoração do povo ao Deus Jeová, reunidas e praticadas de acordo com as leis de Deus. Bênçãos ou maldições acompanhariam tanto a obediência quanto o abandono dos mandamentos de Deus (capítulo 26). Os votos para o Senhor são abordados no capítulo 27.

O tema principal de Levítico é a santidade. A exigência de Deus pela santidade do Seu povo baseia-se na Sua própria natureza santa. Um tema correspondente é o de expiação. A santidade deve ser mantida diante de Deus, e ela só pode ser alcançada através de uma adequada expiação.

Prenúncios: Grande parte das práticas ritualísticas de adoração retratam de muitas maneiras a pessoa e a obra do nosso Salvador, o Senhor Jesus Cristo. Hebreus 10 nos diz que a Lei Mosaica é “a sombra dos bens vindouros”, pelo qual se entende que os sacrifícios diários oferecidos pelos sacerdotes como substituição pelo pecado do povo eram uma representação do sacrifício final — Jesus Cristo, cujo sacrifício seria oferecido de uma vez por todas a favor daqueles que nEle creem. A santidade concedida temporariamente pela Lei seria um dia substituída pela obtenção permanente dessa santidade, quando os Cristãos trocariam o seu pecado pela justiça de Cristo (2 Coríntios 5:21).

Aplicação Prática: Deus leva a Sua santidade muito a sério e por isso devemos também. A tendência na igreja pós-moderna é criar Deus em nossa própria imagem, dando-Lhe os atributos que gostaríamos que Ele tivesse em vez daqueles que a Sua Palavra descreve. A santidade absoluta de Deus, o Seu esplendor transcendente e a sua “luz inacessível” (1 Timóteo 6:16) são conceitos estranhos para muitos Cristãos. Somos chamados a caminhar na luz e repudiar a escuridão nas nossas vidas para que possamos ser agradáveis aos Seus olhos. Um Deus santo não pode tolerar o pecado flagrante e desavergonhado em Seu povo e a Sua santidade exige que essa transgressão seja punida. Não devemos de forma alguma ser impertinentes em nossas atitudes para com o pecado ou o ódio de Deus para com ele, nem devemos minimizá-lo de forma alguma.

Louvado seja o Senhor que por causa da morte de Jesus a nosso favor não mais temos que oferecer sacrifícios de animais. O tema predominante de Levítico é substituição. A morte dos animais era uma penalidade de substituição para aqueles que pecaram. Da mesma forma, mas infinitamente melhor, o sacrifício de Jesus na cruz foi o substituto perfeito e final pelos nossos pecados. Agora podemos estar sem medo diante de um Deus de santidade absoluta porque Ele vê em nós a justiça de Cristo.

Fonte: http://www.gotquestions.org/portugues/Livro-de-Levitico.html

Tenham uma ótima quarta-feira, pessoal.

A Paz de Cristo!

Germano Luiz Ourique


Comentários:


  1. Que tenhamos mais conhecimento das escrituras, assim como neste texto. Glória a Deus Germano pela sua dedicação.

  2. Ivan disse:

    A paz de Cristo Germano !!

    Em Levítico 19:18 mencionado no texto acima, Deus manda amar ao próximo como a ti mesmo. Mas como entender se lá na frente Deus até mesmo puni Saul ao retirá-lo do trono por não obedecer uma ordem de aniquilação do povo amalequita.
    E também já haviam os 10 mandamentos onde se lê não matarás.
    E mesmo que o povo amalequita era inimigo, em levítico 19:18 fala ” não te vingarás, nem guardara irá.
    Como explicar isso a um recém convertido, ou alguém que argumenta contra a bíblia.?

    Aguardo

  3. germano disse:

    Ivan,
    .
    Precisamos separar a maneira que Deus tratou com os israelitas no Velho Testamento na “dispensação da Lei” e a maneira de Deus tratar hoje com a Igreja na dispensação da Graça. A Lei de Moisés que Deus usou para organizar a vida dos israelitas era destinada somente ao povo judeu, ninguém mais. Tanto que se você ler com atenção o versículo citado, vai notar que a ordem de Deus se referia aos israelitas: “Não te vingarás nem guardarás ira CONTRA OS FILHOS DO TEU POVO; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o SENHOR.” (Levítico 19:18) Os israelitas quando ordenados a matarem os outros povos eram o juízo de Deus sobre aqueles povos.
    Mas, e hoje em dia? Hoje vivemos o que Jesus Cristo nos disse para fazer: “Ouvistes que foi dito: AMARÁS O TEU PRÓXIMO, E ODIARÁS O TEU INIMIGO. Eu, porém, vos digo: AMAI A VOSSOS INIMIGOS, BENDIZEI OS QUE VOS MALDIZEM, FAZEI BEM AOS QUE VOS ODEIAM, E ORAI PELOS QUE VOS MALTRATAM E VOS PERSEGUEM; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;”
    Quando Deus ordenou a Saul que aniquilasse os Amalequitas, Saul deveria fazer o que Deus ordenara. Foi punido pela desobediência. Hoje, devemos AMAR os nossos inimigos, BENDIZER os que nos maldizem, FAZER BEM a quem nos odeia e ORAR por quem nos maltrata e persegue. Eu pergunto: Quem você conhece que REALMENTE faz isso?
    Tim Conway disse: “Não é a ira de Deus que temos que avaliar, é a gravidade do nosso pecado.” E é isso mesmo que temos que fazer. Deus é Deus e Ele sabe o que é melhor e quando é melhor. Em outros tempos, Deus usou o seu povo (os israelitas) como juízo sobre outros povos. Hoje, Deus usa falsos “apóstolos” e pregadores da “prosperidade” como juízo sobre um povo que não quer Deus e sim o que seus corações carnais desejam.
    Devemos mostrar a um recém convertido a importância da leitura e estudo sério e dedicado da Palavra de Deus. Além disso, devemos falar da importância de orar antes de ler e estudar a Palavra de Deus buscando o entendimento que só o Espírito Santo de Deus pode nos dar. Até porque, sem ler a Bíblia vamos falar sobre o quê com Jesus, não é mesmo?
    Paz!

  4. Soraia disse:

    Achei muito bom o seu comentário, no entanto não entendi o que você quis dizer quando cita que Deus usa falsos apóstolos e pregadores , deu a entender que Deus usa e permite pessoas erradas para transmitir informações equivocadas para o seu povo e somente estudando sozinho com o discernimento do Espírito Santo iremos entender verdadeiramente a vontade de Deus??? Paulo atuou em várias igrejas, os membros da igreja juntos se torna um só corpo e unidos em Cristo Jesus , no qual é a cabeça , somos mais que vencedores.

  5. germano disse:

    Soraia,
    .
    Sim, Deus permite que um falso pastor (muitos, na verdade), adepto da teologia da prosperidade, enriqueça à custa daqueles que por serem ainda mais gananciosos do que este pastor, o seguem para obter bênçãos materiais. Deus usa estes falsos mestres e falsos pastores como juízo não sobre o Seu povo, mas sobre aqueles que não querem Deus e sim o que os seus corações carnais desejam. Ler a Bíblia não faz de ninguém um pastor, mas fará com que você saiba a qual deles deve escutar.

  6. Fernanda disse:

    Mas qual a relação dos animais com o pecado humano? Tipo.. que culpa eles tem? Vocês não acham que quem deveria fazer sacrifícios são os pecadores e não os animais em seu lugar? Confesso que sou uma leiga nesse assunto.. Mas alguém poderia me dar uma resposta satisfatória ?

  7. Joyce disse:

    Ficou muito bom.

  8. Italo disse:

    Cara Fernanda,

    Era obrigatório a morte de animais como forma de expiação do pecado.
    Pois a própria biblia enfatiza essa questão: SEM DERRAMAMENTO DE SANGUE NÃO HÁ REMISSÃO DE PECADOS – Hb 9:7
    Tanto é que for por isso que nosso Senhor Jesus, teve que ser morto numa cruz, para que por meio do seu sangue, nossos pecados fossem perdoados.
    Espero ter explicado de uma maneira simples, pois poderiamos falar de muitas mais profecias e ordens de Deus.


Comente!

(*)Campos de preenchimento obrigatório