A primeira característica proeminente de uma assembleia reunida biblicamente é que ela vai se reunir somente ao nome do Senhor Jesus Cristo. Em Mateus 18:20 o Senhor disse: “Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles”. Isto foi dito aos Seus discípulos na formação da Igreja no dia de Pentecostes (At 2).  1 Corintios 5:4, “Em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, juntos vós e o meu espírito, pelo poder de nosso Senhor Jesus Cristo…” foi escrito depois de a Igreja ter sido estabelecida. Fica claro a partir destas duas passagens que, conforme a vontade de Deus, a reunião da Igreja para adoração, ministério e ações administrativas deve ser feita somente “ao nome do nosso Senhor Jesus Cristo”.

Uma assembleia hoje reunida conforme as Escrituras fará o mesmo: se reunirá somente ao nome do Senhor. Ela se manterá livre do sectarismo e das denominações porque todos esses nomes de “igrejas” dividem a Igreja exteriormente em partes que negam a verdade de que nós somos o “um corpo” de Cristo (Rm 12:5; 1 Co 12:12-13; Ef 4:4).

Reunir-se somente ao nome do Senhor não quer dizer que uma assembleia cristã deveria colocar uma placa no local das reuniões com as palavras: “O SENHOR JESUS CRISTO” e assim chamar a reunião da igreja por esse nome. Tal atitude seria utilizar o nome do Senhor como um título sectário, o que a Escritura desaprova (1 Co 1:12).  Nós não lemos na Bíblia que a igreja primitiva tenha adotado qualquer outro nome além do nome do Senhor, e apenas informalmente, pois eles não tinham título formal.

O nome de Cristo é o centro da reunião cristã para adoração e ministério

As Escrituras nos dizem Deus considera tanto a Seu Filho que deu ao Seu Nome o mais alto valor. “Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome;  para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai” (Fl 2:9-11). Sendo assim, Deus fez do nome de Cristo o CENTRO para o qual reuniria os cristãos (Mt 18:20).

Como já foi mencionado, quando na Bíblia os crentes se encontravam para adoração e ministério, eles o faziam de forma muito simples, como membros do corpo de Cristo (1 Co 10:16-17). Quando os equivocados Coríntios tentaram reagrupar-se em divisões sob nomes de certos homens talentosos ou líderes da Igreja, isso foi denunciado como sendo “carnal” (1 Co 1:10-13; 3:4).  Tais linhas partidárias sectárias na igreja primitiva foram condenadas – e ainda deveriam ser.

O que os anjos, que conhecem e têm prazer no nome exaltado de Jesus, devem pensar quando veem cristãos se reunindo para adorar na terra adotando toda sorte de denominações ou designações não denominacionais? Deus concede o mais alto valor ao nome do Seu Filho, mas nós ouvimos homens dizendo que realmente não importa que nome você carregue, contanto que todos creiam no Senhor. A questão é: “Que autoridade vinda das Escrituras têm as organizações cristãs para nomear suas igrejas como nacionais (por exemplo, Igreja da Inglaterra), por ordenanças (por exemplo, Batista), por formas de governos de Igrejas (por exemplo, Episcopal, Presbiteriana, Congregacional), ou em nome  de homens talentosos (por exemplo, Martinho Lutero – Luterana,  Menno Simons – Menonita)?

As divisões que vemos na cristandade hoje com seus muitos nomes bem podem ter sido formadas com boas intenções, mas elas não têm base nas Escrituras.

O nome de Cristo é supremo no céu. Quando nós chegarmos lá, não haverá uma placa colocada para os Batistas e outra para os pentecostais, etc. Todos esses grupos denominacionais cairão de uma vez e o nome de Cristo permanecerá supremo. Um ponto no qual muitos cristãos erram é pensar que Deus quer que seja assim agora entre os cristãos na terra, quando sabemos que a oração que o Senhor ensinou a Seus discípulos foi “… seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu” (Mt 6:10).

Portanto, uma assembleia em conformidade com as Escrituras repudiará quaisquer outros nomes, os quais só tendem a depreciar o nome incomparável de Cristo, e se reunirá somente ao nome do Senhor Jesus – sem tomá-lo como um título formal. O Senhor elogiou a assembleia em Filadélfia porque não negou o Seu nome (Ap 3:8), e uma assembleia que age assim hoje também terá a Sua aprovação.

Cristãos, acostumados à ordem tradicional da igreja podem pensar que seja um pouco estranho para uma assembleia não ter um nome . Eles podem não perceber, mas como já apontamos isto é bíblico. Os crentes em Antioquia eram simplesmente chamados de “Cristãos” (At 11:26), que quer dizer “os de Cristo”. Eles foram os primeiros a serem chamados assim no mundo. Mas tomar qualquer outro nome como uma “alça” eclesiástica nega “aquele bom nome” (Tg 2:7).

Extraído do livro “The SEARCH for a Scripturally Gathered Assembly”, Bruce Anstey

Fonte: http://bit.ly/2ycKh5W

.

Condições de uso: Os textos do blog Leia a Bíblia podem ser copiados e utilizados livremente em correspondência, escolas, blogs e sites pessoais. Vedada a reprodução por empresas, igrejas, veículos de comunicação corporativos e programas de rádio/TV. Favor citar a fonte.

.

Comentários: Fique à vontade para comentar. Serão publicados os comentários com base bíblica e fundamentação lógica. Opiniões, questões doutrinárias, citações pessoais, assuntos fora do texto bíblico, comentários sem base bíblica, textos copiados de outros sites e blogs bem como assuntos fora do tema do blog e links externos serão deletados. O assunto aqui é SÓ A BÍBLIA ou assuntos diretamente relacionados ao texto bíblico. Obrigado por comentar.

Germano Luiz Ourique


Comente!

(*)Campos de preenchimento obrigatório