Na visita a Marta e Maria, no capítulo 10 de Lucas, vimos a importância de estar sempre próximo de Jesus ouvindo sua Palavra. O capítulo 11 começa mostrando como devemos imitá-lo. Um discípulo vê Jesus orando e sente que deve fazer o mesmo. “Senhor, ensina-nos a orar” (Lc 11:1), pede ele a Jesus. Ele talvez ainda não esteja ciente de estar diante do próprio Filho de Deus, o Criador do Universo, e que o seu pedido é o mesmo que uma oração. Ele é logo atendido.

Antes de entrarmos nos detalhes de como orar, é preciso entender algumas coisas. Você encontra na Bíblia pessoas orando a Deus, em um sentido geral, ao Pai, em um sentido particular como Jesus irá ensinar aqui, e a Jesus, o Filho. Mas você nunca encontra alguém orando ao Espírito Santo. Portanto dirigir-se ao Espírito Santo para orar, louvar ou adorar não tem fundamento bíblico, mesmo sabendo que ele é uma das três Pessoas da Trindade.

Outro ponto importante é o que Jesus ensina em Mateus 6:7: “E quando orarem, não fiquem sempre repetindo a mesma coisa, como fazem os pagãos”. As repetições, também conhecidas como rezas podem ser encontradas nas religiões pagãs orientais, mas não têm fundamento bíblico. Alguém poderia alegar que no Jardim do Getsemani Jesus usou de repetições, quando “orou pela terceira vez, dizendo as mesmas palavras” (Mt 26:44). A diferença é clara. Continue lendo »


“Que com grande voz diziam: Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e riquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e ações de graças.” – Apocalipse 5:12

Não! O arcanjo Miguel não é Jesus. Em nenhum lugar da Bíblia podemos identificar Jesus como sendo o arcanjo Miguel. Existem apenas cinco passagens da Bíblia que mencionam o arcanjo Miguel, que são: Daniel 10:13 – Daniel 10:21 – Daniel 12:1 – Judas 1:9 – Apocalipse 12:7. E existe ainda a passagem de I Tessalonicenses 4:16 que menciona o Senhor descendo do céu com “voz de arcanjo” (com “voz” de arcanjo, não “como um arcanjo”).

A doutrina propagada tanto pelas Testemunhas de Jeová quanto pelo Adventismo do Sétimo Dia não tem base bíblica e o que a Bíblia afirma é que Jesus é Deus e o arcanjo Miguel é um anjo poderoso.

A Palavra de Deus nos ensina em Hebreus 1:5-8 >>> “Porque, a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, Hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei por Pai, e ele me será por Filho? E outra vez, quando introduz no mundo o primogênito, diz: e todos os anjos de deus o adorem. E, quanto aos anjos, diz: Faz dos seus anjos espíritos, e de seus ministros labareda de fogo. Mas, do Filho, diz: Ó Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos; cetro de equidade é o cetro do teu reino.” Continue lendo »


Em meio à rejeição dos religiosos judeus, Jesus encontra um oásis de refrigério na casa de Lázaro, Marta e Maria. Os três irmãos moram no povoado de Betânia, a poucos quilômetros de Jerusalém, e é ali que Jesus costuma repousar em suas viagens. A parábola do samaritano nos ensinou o que é realmente amar e servir segundo o padrão de Deus, mostrando no verdadeiro Samaritano o exemplo perfeito do amor que não se omite em salvar e cuidar.

Mas antes que você arregace as mangas e saia por aí resgatando os perdidos caídos à beira do caminho, conheça Marta e sua disposição para o trabalho. Tentando servir o hóspede Jesus da melhor maneira, Marta “estava ocupada com muito serviço” enquanto “Maria, sua irmã, ficou sentada aos pés do Senhor, ouvindo-lhe a palavra”. Indignada com a aparente inatividade da irmã, Marta se queixa: “Senhor, não te importas que minha irmã tenha me deixado sozinha com o serviço? Dize-lhe que me ajude!” (Lc 10:38-40).

Você às vezes se sente assim? Corre de um lado para outro e se indigna de alguns que parecem não fazer coisa alguma, pois só ficam ocupados com a leitura da Palavra e a oração? Talvez você pense: “Só eu trabalho!” Cuidado, você está tão ocupado em servir ao Senhor que pode cair no erro de se queixar e dar ordens a ele, como Marta faz aqui: “Senhor… dize-lhe que me ajude!”. Sempre que nos queixamos estamos nos queixando ao Senhor, pois afinal é ele quem cuida de nós e não estamos satisfeitos com seu cuidado. E quando nos achamos mais úteis e responsáveis do que outros, por não fazerem exatamente o que fazemos, nosso coração acaba ficando cheio de orgulho e soberba. Continue lendo »


‘’E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão.’’ – (Mateus 7:3-5)

Muitos cristãos são rápidos em reconhecer e apontar os erros dos outros. De modo geral, baseiam-se em princípios bíblicos muito difundidos e famigerados até entre leigos no que concerne a Palavra, tão básicos que são conhecidos até pelo cristão principiante (amar o próximo, por exemplo). Porém, perdem-se no que diz respeito a outros conselhos e exigências vindos de Deus, ou preferem ignorá-los, empurrando a sujeira para debaixo do tapete enquanto contentam-se em viver acalentando pecados por eles julgados não tão graves assim, na medida em que condenam não só ímpios como também irmãos na fé.

Sejamos mais sensatos e perspicazes quanto ao que agrada a Deus. Não escolhamos premissas bíblicas que nos sejam satisfatórias para seguir e cumprir enquanto fazemos vista grossa às que nos incomodam e exigem mudanças em nossas vidas. Abracemos o que Deus quer de nós totalmente.

Queiramos o evangelho por completo, não uma ideologia fragmentada e solidificada em acobertar pecados aceitos pela maioria por serem (supostamente) inofensivos. Continue lendo »