“A luz brilha nas trevas, e as trevas não a derrotaram”, não puderam resistir a ela. Deus é luz e nele não há trevas. As trevas não fazem parte da criação original de Deus; elas são uma consequência do pecado dos anjos em tempos ancestrais, e também do pecado do homem que se disseminou a partir de Adão.

Tecnicamente falando, as trevas não existem. Elas são apenas a ausência de luz, um vazio igual ao encontrado no coração humano arruinado pelo pecado original. Em Gênesis, depois que Adão pecou, Deus lhe pergunta: “Onde está você?”(Gn 3:9). Quando Deus pergunta algo a você, não é porque ele quer saber, mas para despertar sua consciência. Na prática Deus estava dizendo:“Adão, veja só onde você foi parar!”.

Mas Deus quer reverter essa condição, e para isso Jesus veio ao mundo. A verdadeira luz estava no mundo, mas o mundo, que foi feito por ele, não o conheceu. Veio para o povo que lhe pertencia, os judeus, mas esse mesmo povo não o recebeu.

Como insetos notívagos, que se escondem sob a pedra porque odeiam a luz, nós fugimos de Jesus. Essa fuga faz parte dos sintomas causados pelo pecado. Quando você me vê aqui falando de Jesus, não pense que fui sempre assim. Eu também fugia da verdadeira luz, porém fazia isso da forma mais sutil e enganosa: eu era um espiritualista. Continue lendo »


Os quatro evangelhos apresentam quatro diferentes aspectos de Cristo. Mateus mostra o perfeito Rei prometido a Israel, por isso está cheio de citações do Antigo Testamento. Ali a genealogia de Jesus começa em Abraão, o patriarca de Israel, e passa pelo Rei Davi. Marcos mostra o perfeito Servo, humilde e sem genealogia. Lucas apresenta o perfeito homem, cuja genealogia vem desde Adão, o primeiro homem.

O Evangelho de João revela Jesus como Deus e Criador, e não há uma genealogia, pois ele não tem começo e nem fim, assim como o próprio Evangelho de João. Este evangelho começa na eternidade, “no princípio”, e termina falando de infinitude ao revelar que se fosse escrito tudo o que Jesus fez o mundo inteiro não seria suficiente para conter esses livros. E como poderia este planeta conter toda informação sobre Jesus e o Universo que ele criou?

Semelhante ao livro de Gênesis, João começa com a expressão “No princípio”, que na realidade significa “antes de tudo”. “No princípio era o Verbo”, pré-existente. O Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus. Todas as coisas foram criadas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Jesus é o Verbo. Ele não foi criado, ele é o Criador. Continue lendo »


Jesus encerra sua despedida com a promessa de enviar o Espírito Santo, que só poderia vir morar nos crentes após Ele ser glorificado nas alturas. Para isso eles deviam permanecer em Jerusalém, a mesma cidade onde ele tinha sido rejeitado, morto e ressuscitado, e de onde o evangelho da graça sairia levando “o arrependimento para perdão de pecados a todas as nações” (Lc 24:47). Ali também o Espírito Santo pousaria na Igreja que estava para ser formada. Jesus diz: “Eu lhes envio a promessa de meu Pai; mas fiquem na cidade até serem revestidos do poder do alto” (Lc 24:49).

Depois disso ele leva os discípulos a Betânia, a aldeia que era o lugar preferido do Senhor. Ali ele encontrava repouso na casa de Lázaro, era servido por Marta e desfrutava da total atenção de Maria assentada aos seus pés (Jo 12:1-3). Não poderia existir um lugar mais apropriado para ser a última parada de nosso Senhor na terra. Dali ele não só voltaria aos céus, mas subiria abençoando os seus. “Tendo-os levado até as proximidades de Betânia, Jesus levantou as mãos e os abençoou. Estando ainda a abençoá-los, ele os deixou e foi elevado ao céu” (Lc 24:50-51).

Este evangelho começa e termina com alegria. Primeiro, quando o anjo anunciou a Zacarias o nascimento de João Batista: “Ele será motivo de prazer e de alegria para você, e muitos se alegrarão” (Lc 1:14). Depois, “quando Isabel ouviu a saudação de Maria, o bebê [João] agitou-se em seu ventre, e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. Em alta voz exclamou: ‘Logo que a sua saudação chegou aos meus ouvidos, o bebê que está em meu ventre agitou-se de alegria’” (Lc 1: 41-44). Mais tarde os pastores ouviriam da boca do anjo “boas novas de grande alegria” pois “na cidade de Davi, lhes nasceu o Salvador que é Cristo, o Senhor” (Lc 2:10-11). Continue lendo »