‘’Dai graças ao Senhor, porque ele é bom; porque a sua benignidade dura para sempre. ’’ (Salmos 136:1)

Algo que é bastante saudável e espiritualmente nutritivo é pensar na bondade de Deus. Tirar algum tempo nessa correria insana para admirá-Lo pela Sua grande misericórdia e meditar sobre Seu divino amor é realmente inspirador. Instantaneamente sentimos um impulso que nos instiga a participar deste amor, humilhando-nos perante Sua misericórdia e alegrando-nos em Sua presença. É extremamente agradável concentrar-se em Deus e permitir que Ele preencha qualquer lacuna em nossas almas. Poder conversar com Deus a qualquer instante e sentí-Lo como um verdadeiro amigo, ou melhor – O melhor amigo. Nele habita a verdade e toda a santidade.

Quando nos dispomos a nos desfazer de nosso velho ‘’eu’’ e dizer ‘’eis-me aqui’’ ao Senhor, passamos a enxergar cada dia como uma dádiva. Isto porque já não dependemos mais de nós mesmos, não estamos mais no controle. E cá para nós, essa coisa de controle não combina conosco. Esta é uma área pertencente a Deus. E para falar a verdade, Ele deve controlar todas as áreas, afinal, Ele é O Criador delas. Se em alguma está faltando Deus, esta poderá afetar a outra, e assim sucessivamente. Continue lendo »


Um amigo não convertido foi convidado a uma dessas “igrejas” de pregadores da prosperidade e, ao invés de sair dali convencido a crer em Jesus, saiu enojado. Marcou no relógio uma hora e quarenta minutos de pedidos de dinheiro. Ele, que pensava ter sido convidado para um culto a Deus, saiu convencido de que aquilo era um culto a Mamom, o dinheiro.

Mas qual é a importância que Deus dá ao dinheiro? Ao compará-lo às “moradas eternas” em Lucas 16, Jesus diz que “quem é fiel no pouco, também é fiel no muito, e quem é desonesto no pouco, também é desonesto no muito” (Lc 16:10). Para Deus, o valor da riqueza é “pouco”, mas ele chama de “muito” os “tesouros no céu, onde a traça e a ferrugem não destroem, e onde os ladrões não arrombam nem furtam” (Mt 6:20).

Deus diz: “Tanto a prata quanto o ouro me pertencem… Não tenho necessidade de nenhum novilho dos seus estábulos, nem dos bodes dos seus currais, pois todos os animais da floresta são meus, como são as cabeças de gado aos milhares nas colinas… fui eu quem lhe deu o trigo, o vinho e o azeite, quem o cobriu de ouro e de prata” (Ag 2:8; Sl 50:10; Os 2:8-9). Você acha que aquele que em Mateus 17:27 colocou uma moeda na boca do peixe que Pedro iria pescar precisaria do nosso dinheiro? Continue lendo »


Os princípios bíblicos podem influenciar as leis, exemplo no caso da PL122? Como ser coerente com a Bíblia nesse mundo que não conhece a Cristo?

Leia Romanos Capítulo 13.

.

Sobre o Espírito Santo. Dizem que antes do pentecostes nao existia o Espirito Santo na terra e como que Simeão estava cheio do Espírito Santo, na passagem onde ele circuncisa Jesus.

Gênesis 1:2 – “E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o ESPÍRITO DE DEUS se movia sobre a face das águas.” O Pai, o Filho e o Espírito Santo estão presentes desde a criação. A partir do Pentecostes (Atos 2), o Espírito Santo passou a HABITAR os salvos. Leia 1 Co 3:16 e 6:19.

.

Por que coisas como o dom de línguas, apóstolos, profetas… não existem mais? Na Bíblia tem alguma passagem bíblica que fale claramente que não vão mais existir apóstolos?

Por que coisas como o dom de línguas, apóstolos, profetas… não existem mais?

Resposta: Porque os sinais serviram para comprovar os feitos de Jesus e dos apóstolos. Isso terminou ainda no primeiro século. Hoje temos a Palavra de Deus totalmente revelada para nós, a Bíblia. Continue lendo »


No princípio Deus escolheu um homem, Adão, para ser administrador da Criação. Ele e Eva deveriam se multiplicar, povoar a terra, dominar sobre os animais e cultivar o jardim do Éden. Havia um único mandamento: Não comer do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal. Antes mesmo de terem seu primeiro filho, ou colherem os primeiros frutos de seu cultivo, eles já tinham desobedecido esse mandamento.

Adão e Eva descobriram que o mero conhecimento do bem e do mal, adquirido ao comerem da árvore proibida, não lhes capacitava a fazer o bem ou evitar o mal. Seus descendentes mergulharam na iniquidade e Deus decidiu destruir o mundo num dilúvio, preservando a Noé e sua família. A eles foi ordenado: “Sejam férteis e multipliquem-se; espalhem-se pela terra e proliferem nela” (Gn 9:7). Para administrar a terra Noé recebeu a autoridade de governar e exercer poder sobre seus semelhantes.

Mas seus descendentes falharam, por não se espalharem pela terra como Deus havia ordenado. Ao contrário, concentraram-se num só lugar para construir uma cidade e uma torre com um objetivo contrário à ordem dada por Deus. Continue lendo »