O autor do artigo que você me enviou mistura passagens dirigidas apenas à Igreja com aquelas dirigidas ao remanescente judeu que se converterá depois do arrebamento. Ele também utiliza de um artifício muito comum, que é fazer uma suposição e depois construir seu argumento sobre uma suposição que pode não ser verdade. Seu objetivo é tentar provar que o arrebatamento não seria um evento secreto, como creio que é, mas algo público, visível a todos os habitantes da Terra.

É este o caso quando diz que “a sua vinda não é silenciosa como eles alegam, mas é audível”, ao se referir à voz do arcanjo e à trombeta de Deus no arrebatamento. Porém a própria continuação de seu argumento desfaz sua suposição de que a vinda do Senhor no arrebatamento será ouvida por todo o mundo. Ele cita João 5:28 que diz que “vem a hora em que todos os que se acham nos túmulos ouvirão a sua voz e sairão”. Aqui diz que os que estão nos túmulos ouvirão.

Acaso o autor do artigo se considera capaz de ouvir o que Deus está dizendo neste exato momento aos mortos? Se não fosse pela revelação de Jesus feita nos Evangelhos, quem mais teria tido conhecimento do diálogo que ocorreu entre o rico e Abraão (figura de Deus) a respeito de Lázaro? Embora alguns chamem a passagem de “Parábola do Rico e Lázaro”, o texto bíblico não diz que seja uma parábola. O fato de Lázaro ser chamado por nome indica ter sido uma pessoa real. Continue lendo »


Muitos dos que se diziam discípulos de Jesus estavam mais interessados nos benefícios do que nas responsabilidades e acabaram decidindo abandoná-lo. “Jesus perguntou aos doze: ‘Vocês também não querem ir?’ Simão Pedro lhe respondeu: ‘Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras de vida eterna. Nós cremos e sabemos que és o Santo de Deus’” (Jo 6:67-69).

Pedro e os outros mostraram que não seguiam a Jesus pelas vantagens materiais e transitórias, mas por ele ser quem era e pela promessa da vida eterna. Porém, para mostrar que podem existir falsos discípulos, Jesus revelou: “‘Não fui eu que os escolhi, os doze? Todavia, um de vocês é um diabo!’ Ele se referia a Judas, filho de Simão Iscariotes, que, embora fosse um dos doze, mais tarde haveria de traí-lo” (Jo 6:70-71).

Existem também aqueles que são discípulos de homens, achando que isso faz deles discípulos de Cristo. É claro que na Bíblia encontramos discípulos de profetas como João Batista, mas na atual dispensação vemos todos os cristãos como discípulos de Cristo apenas. Continue lendo »


Ao reparar na multidão que o segue, Jesus lhes diz: “Se alguém vem a mim e ama o seu pai, sua mãe, sua mulher, seus filhos, seus irmãos e irmãs, e até sua própria vida mais do que a mim, não pode ser meu discípulo. E aquele que não carrega sua cruz e não me segue não pode ser meu discípulo” (Lc 14:25-27). Ele não diz que “não pode ser salvo”, mas que “não pode ser meu discípulo”.

Um pouco antes neste capítulo Jesus falou da graça de Deus, o favor imerecido que recebem os que aceitam o convite para a grande ceia. Depois de tamanha revelação de graça não é de estranhar que uma multidão decida segui-lo. Porém graça e discipulado são coisas distintas, apesar de conectadas. Neste capítulo nós vemos primeiro a graça e depois o discipulado, nesta ordem.

Graça é o que Deus oferece ao pecador; é a manifestação do amor livre e desimpedido de Deus que não pede nada em troca. Ele deu o seu Filho para morrer na cruz e agora oferece uma salvação que é totalmente de graça. Continue lendo »


Por que Jesus falava por parábolas, dificultando assim a compreensão das pessoas? Será que Ele não queria que elas entendessem? Tudo indica que ele falava por parábolas, não para simplificar, mas para ver até onde ia o interesse dos ouvintes. Pessoas indiferentes não teriam interesse em entender, portanto para elas as parábolas não trariam qualquer benefício.

Mat 13:13-15 Por isso lhes falo por parábolas; porque eles, vendo, não veem; e, ouvindo, não ouvem nem compreendem. E neles se cumpre a profecia de Isaías, que diz: Ouvindo, ouvireis, mas não compreendereis, E, vendo, vereis, mas não percebereis. Porque o coração deste povo está endurecido, E ouviram de mau grado com seus ouvidos, E fecharam seus olhos; Para que não vejam com os olhos, E ouçam com os ouvidos, E compreendam com o coração, E se convertam, E eu os cure. Continue lendo »