‘‘… Até aqui nos ajudou o Senhor. ’’ – (1 Samuel 7:12)

Como é bom sermos esperançosos em Cristo, pois sabemos que há uma nova chance para recomeçar a cada instante. Quer dizer, para que esperar pelo ano novo para fazer algo que podemos fazer hoje? Geralmente começamos o ano com muitas aspirações, planos e metas, que abandonamos no decorrer do ano ou nos permitimos vencer por alguns fracassos, e nesse caso a esperança é uma fase, e não um estado de espírito constante. Nós, cristãos, temos nossa esperança firmada no Eterno. Portanto, somos convictos de que todos os dias somos beneficiados com novas oportunidades de fazermos tudo diferente. A esperança de quem está em Cristo não é passageira, porém sólida, eficaz e atemporal.

Trabalhemos aqui para o Senhor e assim Ele fará com que frutifiquemos e tais frutos sejam visíveis e viçosos. Assim todos verão o motivo de nossa fé e expectativas bem fundamentadas. Saibamos que isso não se dará quando quisermos, não determinamos quando, por que e como. Deus estabelecerá seus propósitos em nossas vidas conforme a Sua vontade, sem a necessidade de palpites e interferências de nossa parte, o que devemos fazer é agir pautados em sabedoria e prudência. O Senhor nos trouxe até aqui e com certeza nos sustentará se depositarmos nEle a confiança da qual somente Ele é merecedor. Não confiemos em vãs e enganosas superstições humanas ou costumes antagônicos à cristandade, voltemo-nos ao Senhor a fim de que Ele nos purifique e sejamos dependentes apenas dEle, e não precisemos nos debruçar sobre nossas vis concupiscências. Continue lendo »


O contraste entre o novo testemunho, que Jesus estabelece neste capítulo, e aquele em que estavam os fariseus é evidente. João assinala a entrada de Jesus em cena com estas palavras: “Nele estava a vida, e esta era a luz dos homens. A luz brilha nas trevas, e as trevas não a derrotaram… Estava chegando ao mundo a verdadeira luz, que ilumina todos os homens. Aquele que é a Palavra estava no mundo, e o mundo foi feito por intermédio dele, mas o mundo não o reconheceu. Veio para o que era seu, mas os seus não o receberam”(Jo 1:5-11). Por isso nada mais haveria escondido que não viesse a ser descoberto, ou oculto que não viesse a ser conhecido, e isto incluiria a verdade da Igreja revelada a Paulo.

Assim como a própria Luz, este testemunho resplandeceria sem impedimento até que fosse dada a revelação completa de Deus, que inclui “o mistério que esteve oculto durante épocas e gerações, mas que agora foi manifestado a seus santos”(Cl 1:26). Jesus encoraja seus discípulos: “O que vocês disseram nas trevas será ouvido à luz do dia, e o que vocês sussurraram aos ouvidos dentro de casa, será proclamado dos telhados” (Lc 12:2-3). Eles, que se esconderiam de medo quando Jesus fosse morto, reapareceriam depois de Pentecostes com uma ousadia que só poderia vir do Espírito Santo. Apesar de presos e proibidos de falar de Jesus, eles ousariam responder: “É preciso obedecer antes a Deus do que aos homens!”(At 5:29). E os próprios sacerdotes e fariseus do judaísmo seriam obrigados a reconhecer “que eles haviam estado com Jesus”(At 4:13). Continue lendo »


Existem cinco coisas que deveriam acontecer antes que um salvo perca a sua salvação. Porém, são coisas impossíveis de acontecer!

1) Alguém teria que nos tirar da mão do próprio Deus. “Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai” (Jo. 10:29).

2) Alguém teria que quebrar o selo de propriedade que nos tornou propriedade particular de Deus. “Fostes selados com o Espírito Santo da promessa. O qual é o penhor da vossa herança, para redenção da possessão de Deus, para louvor da Sua glória” (Ef. 1:13, 14).

3) Alguém teria que expulsar o Espírito Santo de Deus que habita em nós. “Não sabeis vós que sois o templo de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós?” (1 Co. 3:16). “E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre” (Jo. 14:16). Continue lendo »


Em nosso capítulo 12 de Lucas também vemos a revelação progressiva de Deus. A carta aos Hebreus diz: “Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo. Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas”(Hb 1:1-3).

Pela Criação Deus revelou sua glória e poder, pois “os céus declaram a glória de Deus; o firmamento proclama a obra das suas mãos”(Sl 19:1). Mas ele não se revelou ao homem pelas coisas criadas. Ao entregar a Lei a Moisés ele revelou a incapacidade do homem de cumprir as demandas de um Deus santo, mas ainda não se revelou ao homem. Por mais sincero que um judeu fosse em tentar guardar a lei, ele não podia conhecer a Deus, pois este ainda não tinha sido revelado.

Até mesmo Paulo, um judeu exemplar “circuncidado no oitavo dia de vida, pertencente ao povo de Israel, à tribo de Benjamim, verdadeiro hebreu; quanto à lei, fariseu… quanto à justiça que há na lei, irrepreensível”(Fp 3:5), não conhecia a Deus. Por isso ele dizia que “quando aprouve a Deus… revelar seu Filho em mim… não consultei a carne nem o sangue”(Gl 1:15-16). Continue lendo »