Ao escrever aos cristãos da Galácia, que insistiam em guardar a Lei de Moisés para serem salvos, Paulo diz: “De nada vale ser circuncidado ou não. O que importa é ser uma nova criação” (Gl 6:15). Em sua carta aos Coríntios ele acrescenta: “Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas!” (2 Co 5:17). Percebe que isto implica uma mudança no modo de Deus tratar o homem antes e depois de Cristo?

Na cruz Deus pôs um ponto final no homem em seu estado natural e na velha criação. Em Jesus ressuscitado temos o primeiro exemplar de uma nova criação. O homem da primeira criação possuía um cérebro de matéria vinda da terra e limitado a entender as coisas em um espaço-tempo tridimensional. O homem da nova criação terá seu cérebro transformado para compreender as coisas nos novos céus e na nova terra — a eternidade — quando o tempo deixar de existir.

Quando você recebe a nova vida que está em Jesus, e crê nele como seu Salvador, seu cérebro físico ainda permanece o mesmo, bem como o seu corpo material. Mas você já recebe a nova natureza que pertence à nova criação, e o Espírito Santo vem habitar em você. Seu corpo ainda aguarda a ressurreição para ser transformado à semelhança do corpo glorioso de Jesus, mas sua mente já está capacitada a entender as coisas celestiais, ainda que “como em espelho”. É como se você vivesse no velho hardware rodando um software de última geração. Continue lendo »


Após ter revelado a completa expulsão de Satanás do céu, o que ainda está para acontecer, Jesus exulta no Espírito Santo por algo que dificilmente alguém exultaria: a vantagem da falta de inteligência. Ele diz: “Eu te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, pois assim foi do teu agrado” (Lc 10:21).

As pessoas gostam de colocar Jesus no pódio lado a lado com grandes filósofos e cientistas. Porém a filosofia se ocupa da sabedoria humana e a ciência do conhecimento humano, coisas que não são eternas, portanto seu valor é relativo. Para entender isto é preciso levar em consideração as dispensações ou maneiras como Deus trata a humanidade.

Em um determinado momento da história Deus tomou de uma amostra para testar a raça humana. Quando você quer verificar se a água de uma represa é boa, você não testa toda a represa, mas apenas uma amostra. Foi o que Deus fez e esta amostra é o povo de Israel. Durante o período do judaísmo o homem ainda estava sendo testado em seu estado natural para viver na terra para sempre. Para isso, além da direção divina, ele precisaria também de inteligência e conhecimento, e esta é uma das razões de os judeus darem tanto valor às conquistas intelectuais. Continue lendo »


‘’Dize à sabedoria: Tu és minha irmã; e à prudência chama de tua parenta. ’’ – Provérbios 7:4

A um cristão que se preze, é comum pedir a Deus sabedoria. Inocentemente, não paramos para refletir sobre os percalços que serão enfrentados para alcançar esta nobre virtude.

Pensamos que basta pedir e num piscar de olhos ali estará a sabedoria dentro de nós, pronta a ser explorada quando tivermos de lidar com os dilemas e aborrecimentos da vida, mas sabemos que as coisas não funcionam assim. É necessário um processo muitas vezes doloroso para alcançar tal finalidade.

Ao clamarmos por sabedoria, devemos manter em mente que problemas virão para que possamos adquiri-la. Tais contratempos podem gerar sofrimentos que por um momento julgamos intransponíveis.

Perguntamos a Deus o porquê de determinadas angústias nos afligirem, às vezes ficamos com a fé esmorecida e murmuramos, fechando-nos às lições prontas a serem aprendidas e esquecendo-nos do quão poderoso e fiel o Senhor é. Com a mente afundada em preocupações, nos fogem à memória todas as vezes que oramos rogando por conhecimento e discernimento. Continue lendo »


A resposta de Jesus aos discípulos tem dupla aplicação. Uma, como já vimos, foi alertá-los do perigo de se deixarem dominar pelo orgulho, o mesmo sentimento que foi fatal para o diabo. Em Ezequiel 28 há um texto que mescla informações sobre o rei de Tiro e a origem de Satanás. Trata-se de um estilo literário encontrado algumas vezes na Bíblia, como quando Jesus repreende Pedro dizendo: “Para trás de mim, Satanás! Você não pensa nas coisas de Deus, mas nas dos homens” (Mc 8:33). Obviamente Pedro não era Satanás, mas os seus pensamentos estavam sendo forjados pelo diabo.

Do versículo 12 à metade do 17 de Ezequiel 28 você descobre o que levou Satanás a pecar. Deus diz: “Você era o modelo de perfeição, cheio de sabedoria e de perfeita beleza… ungido como um querubim guardião… no monte de Deus… inculpável em seus caminhos desde o dia em que foi criado até que se achou maldade em você… Por isso eu o lancei em desgraça para longe do monte de Deus, e eu o expulsei, ó querubim guardião… Seu coração tornou-se orgulhoso por causa da sua beleza, e você corrompeu a sua sabedoria por causa do seu esplendor” (Ez 28:12-17).

Em tempos imemoráveis, muito antes de Adão e Eva, Satanás caiu em pecado. Apesar disso, Satanás e seus anjos continuaram no céu, como é possível ver lendo os dois primeiros capítulos do livro de Jó. A partir da metade do versículo 17 de Ezequiel 28 o sentido é profético e fala da queda literal do diabo, quando ele será expulso do céu e lançado na terra. “Por isso eu o atirei a terra; fiz de você um espetáculo para os reis”. Esta é também a aplicação profética do que Jesus diz aos discípulos em Lucas 10:18: “Eu vi Satanás caindo do céu como um relâmpago”. Continue lendo »