Após Jesus ter expulsado a legião de demônios do homem gadareno, duas personagens cruzam seu caminho. Uma é a filha única de Jairo, um dos principais judeus da sinagoga, o qual se prostra aos pés de Jesus suplicando que vá à sua casa curar a menina. Ela tem quase doze anos e está à morte. A outra é uma mulher desconhecida que há doze anos sofre de hemorragia. Segundo a Lei de Moisés uma mulher assim é impura e intocável.

A menina é uma legítima representante de Israel, e acabará morrendo. A mulher, anônima e impura, representa os gentios ou não judeus, que sempre estiveram à margem do povo escolhido por Deus, mas que aproveitam para tocar em Jesus enquanto ele vai cumprir sua missão de trazer Israel de volta à vida. A carta aos Romanos ensina que Israel foi deixado de lado por um tempo para que os gentios fossem introduzidos na esfera de privilégio e bênção. A igreja, formada por judeus e gentios, tem sido o foco de Deus nos últimos dois mil anos.

Assim como ocorre hoje com quem se aproxima de Jesus de qualquer maneira, ignorante da Lei de Moisés e dos rituais do judaísmo, a mulher se mistura com a multidão em busca de cura para o seu mal. E é assim, escondida e anônima, que ela se aproxima de Jesus. “Ela chegou por trás dele, tocou na borda de seu manto, e imediatamente cessou sua hemorragia” (Lc 8:44). Continue lendo »


O povo da cidade é avisado do que aconteceu com os porcos e vai conferir. “O homem de quem haviam saído os demônios estava assentado aos pés de Jesus, vestido e em perfeito juízo” (Lc 8:35). Antes ele vivia nu entre os sepulcros, e nem as correntes podiam deter sua força descomunal. Que triste figura do pecador sem Deus e sem esperança: nu, controlado por demônios e vivendo nos lugares de morte e solidão. Agora ele tem prazer em ficar aos pés de Jesus.

Sempre que Cristo liberta um pecador há alegria no céu diante dos anjos de Deus. Mas aqui a libertação deste homem é motivo de tristeza para as pessoas da região. Eles amam mais seus porcos, e devem ter feito as contas de quanto perderiam se Jesus continuasse ali libertando pessoas do poder das trevas. O mesmo acontece hoje, quando os incrédulos lamentam por um parente ou amigo que se converte a Cristo. Acham um desperdício, preferiam vê-lo perdido.

O povo suplica que Jesus saia dali, e ele atende seu pedido. Se o homem endemoninhado representa aqueles que a sociedade rejeita, por estarem dominados pelo mal, os cidadãos de Gadara não são diferentes dele. Assim como acontece com os demônios, todos têm igualmente aversão a Jesus. Continue lendo »


“Quando Jesus pisou em terra, foi ao encontro dele um endemoninhado daquela cidade. Fazia muito tempo que aquele homem não usava roupas, nem vivia em casa alguma, mas nos sepulcros. Quando viu Jesus, gritou, prostrou-se aos seus pés e disse em alta voz: ‘Que queres comigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo?’”. Um pouco antes, os discípulos ainda não sabiam realmente quem era Jesus, e perguntavam entre si, “Quem é este?”. Agora a legião de demônios que possui este homem sabe quem ele é e o chama pelo nome. Na Bíblia os únicos que se dirigem a Jesus sem chamá-lo de Senhor são os demônios.

Satanás tinha causado o vendaval no lago, que Jesus aplacou com uma palavra. Em Efésios Satanás é chamado de “príncipe do poder do ar” (Ef 2:2) e no primeiro capítulo do livro de Jó descobrimos que seus dez filhos foram mortos pelo diabo quando a casa caiu sobre eles. O que derrubou a casa? “Um vento muito forte veio do deserto e atingiu os quatro cantos da casa, que desabou” (Jó 1:19).

No evangelho de Mateus estes mesmos demônios suplicam: “Que queres conosco, Filho de Deus? Vieste aqui para nos atormentar antes do devido tempo?” (Mt 8:29). Eles sabem que um dia serão lançados no abismo, a prisão que antecede o lago de fogo. Por isso Satanás quis impedir Jesus de chegar ali com seus discípulos. Continue lendo »


‘’O SENHOR está comigo; não temerei o que me pode fazer o homem. ’’ – (Salmos 118:6)

Conhecer a Deus é de exímia importância quando se pretende confiar nEle. Lendo a Bíblia temos esta oportunidade ao constatarmos quem Ele verdadeiramente é: Seus princípios, vontades e ensinamentos.

Algo perfeitamente claro é que Ele sempre cumpre tudo o que promete e nos ensina lições preciosas, que muitas vezes precisamos sofrer para aprender. A justiça de Deus sendo executada por causa do pecado do povo de Israel é um dos exemplos mais destacáveis. O que nos conforta é saber que todos os Seus planos estão envoltos em amor e misericórdia, e isto também se evidencia em Seu relacionamento com o povo escolhido.

Não há dúvidas de que tudo o que é permitido por Ele tem um propósito justo e coerente, que compreenderemos conforme Seus desígnios. Cabe a nós estarmos focados nEle em fé e santidade, buscando as coisas que são de cima, orando e agindo conforme a direção do Espírito Santo. Não há o que temer quando Cristo nos governa por inteiro, podemos nos apoiar na certeza de que Ele cuida de nós. Continue lendo »