A Bíblia é a Palavra de Deus, dada aos homens do modo como um compositor distribui sua partitura à orquestra. Os diferentes instrumentos imprimiram nela a tonalidade de cada um, mas um só compositor e maestro esteve por detrás de suas notas. Sua execução levou 1500 anos, tocada por 40 homens de diferentes culturas e níveis sociais. Muitos nunca se conheceram e trabalharam separados por séculos e quilômetros de distância. Pense nesses vídeos do Youtube, com uma mesma música executada por artistas de diferentes países, e você terá uma vaga ideia de como foi a composição do texto sagrado.

Um só é o seu tema, princípio e fim: Cristo. Ele é o Alfa, a primeira letra do alfabeto grego, e o Ômega, a última. Por isso Jesus aparece de Gênesis a Apocalipse, e se você deseja conhecer a Verdade e se aproximar de Deus precisará conhecer a Jesus. Ele disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim” (Jo 14:6). Este é o genuíno. Qualquer outro caminho, verdade e vida são falsos. Não se chega a Deus sem Jesus, por isso é tão importante conhecê-lo. Se você ainda não confia nele é porque não o conhece.

Uma vez uma senhora me ligou pedindo referências de uma empregada que havia cuidado de meu filho deficiente. Ela buscava alguém para tomar conta de sua mãe idosa, mas queria uma pessoa de confiança. À medida que eu ia falando, ela ia conhecendo melhor a pessoa e eu podia perceber que sua confiança ia crescendo. Nós pedimos referências de alguém para sabermos o quanto podemos confiar. Continue lendo »


Você ficou em dúvida porque uma passagem de Atos parece indicar que havia um lugar onde os cristãos se reuniam. “E sucedeu que todo um ano se reuniram naquela igreja, e ensinaram muita gente” (At 11:26). Como você tem lido textos e escutado vídeos e áudios afirmando que o cristão não deve frequentar uma denominação ou templo para adorar, esta passagem parece contradizer isso. Afinal, os primeiros cristãos iam ou não iam a uma igreja para adorar? Na conversa que o Senhor Jesus teve com a mulher samaritana antes que a Igreja fosse formada no dia de Pentecostes, ela levantou a questão do correto lugar de adoração:

“Nossos pais adoraram neste monte, e vós dizeis que é em Jerusalém o lugar onde se deve adorar. Disse-lhe Jesus: Mulher, crê-me que a hora vem, em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai. Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos porque a salvação vem dos judeus. Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.” (Jo 4:20-24).

O Senhor deixou bem claro para ela que o tempo de adorar em um lugar físico e tangível como era o Templo de Jerusalém estava para terminar. A adoração seria então de outra maneira e já não mais dependeria de um lugar tangível, pois seria “em espírito e em verdade”. Seria uma adoração acessível a qualquer um em qualquer lugar, pois o espírito humano está sempre com o cristão, desde que fosse em verdade, ou seja, fundamentada na Palavra de Deus. Continue lendo »


Um dos doutores da Lei sente-se ofendido e retruca: “Mestre, quando dizes essas coisas, insultas também a  nós”. Mas Jesus tem algo a dizer também àqueles que se consideram especialistas na Palavra de Deus e “que pela injustiça aprisionam a verdade” (Rm 1:18): “Quanto a vocês, peritos na lei… ai de vocês também! Porque sobrecarregam os homens com fardos que dificilmente eles podem carregar, e vocês mesmos não levantam nem um dedo para ajudá-los” (Lc 11:45).

Há três lugares onde você pode guardar a Verdade: na biblioteca, no cérebro ou no coração. Muitos colecionam livros para exibirem erudição. Quem trabalha com decoração de ambientes está acostumado a comprar livros por metro para encher estantes de clientes que não leem nem gibi. Guardar a Verdade no cérebro é obter um diploma de “Doutor” em alguma disciplina cristã, sem nunca ter nascido de novo. São pessoas “que aprendem sempre e jamais podem chegar ao conhecimento da verdade” (2 Tm 3:7), pois “rejeitaram o amor à verdade que os poderia salvar… não creram na verdade, mas tiveram prazer na injustiça” (2 Ts 2:10-12).

Em Apocalipse 10 o apóstolo João escuta uma voz que diz: “Vá, pegue o livro aberto que está na mão do anjo… Pegue-o e coma-o! Ele será amargo em seu estômago, mas em sua boca será doce como mel”. João conta o que aconteceu: “Peguei o livrinho da mão do anjo e o comi. Ele me pareceu doce como mel em minha boca; mas, ao comê-lo, senti que o meu estômago ficou amargo. Então me foi dito: ‘É preciso que você profetize de novo acerca de muitos povos, nações, línguas e reis’” (Ap 10:8-11). Continue lendo »


Atualmente é trivial permitir que futilidades determinem como devemos pensar, agir e sobretudo viver. O ser humano encontra-se tão centrado em si mesmo e seu incansável desejo por ser aceito e acolhido pelos demais que perdeu a capacidade de raciocinar sobre o que realmente importa no final das contas.

O conceito de eternidade perde-se em meio à necessidade que as pessoas têm de a todo instante provar aos outros o quanto suas vidas são perfeitas através das redes sociais, por exemplo. Prendem-se a parâmetros de vida mesquinhos e fugazes. Recusam-se a expandir seus horizontes para além de suas necessidades carnais. É gratificante saber que esta realidade não nos interessa, afinal, sendo cristãos, sabemos que nossas vidas têm um firme propósito preestabelecido. Ou pelo menos deveríamos saber. Logo, falemos sobre o que realmente importa: Cristo e a vida eterna.

A causa do evangelho tem sido prioridade em sua vida? É raro encontrar alguém que responda assertivamente com profunda sinceridade. Esconder-se atrás de aparências envoltos em hipocrisia tornou-se tão natural que viver o evangelho autenticamente é extremamente raro. Obviamente, todos nós temos defeitos e os teremos enquanto habitarmos este corpo corruptível. A questão é: estamos permitindo que o Espírito Santo direcione nossas ações a ponto de que nosso maior objetivo seja viver para a glória de Deus? Continue lendo »