“Respondeu, pois, Jesus, e disse-lhes: Não murmureis entre vós.” João 6:43

Muitas vezes Deus age de maneiras incompreensíveis a nós. O que precisamos fazer é demonstrar amor para com Ele, confiando através da certeza de que a sua bondade sempre prevalece e é suficiente para nos assegurar de que Ele cuida de nós mesmo em momentos difíceis.

Falhamos quando murmuramos ao questionar o agir de Deus, o que demonstra uma imensa ignorância no que cerne os princípios divinos. Ele é Deus e este fato já é o suficiente para nos encher de fé e esperança.  Sabemos que o princípio da sabedoria é o temor do Senhor (Provérbios 1:7). Temer a Deus significa respeitá-Lo e reverenciá-Lo; confiar nEle é uma das maneiras mais belas e eficazes de demonstrar que O tememos.

Quando tomamos a atitude de andar em fé, já não somos propensos à ansiedade ou preocupações por qualquer motivo que seja, pois entendemos que os planos de Deus são grandiosos e muitas vezes fogem à nossa capacidade de compreensão. Cada uma das eventualidades da vida, inclusive as mais desagradáveis, são utilizadas por Ele para executar Seus planos e satisfazer a Sua vontade, ensinando-nos a depender somente de Sua providência. Continue lendo »


Como já aprendemos, a oração deve começar com expressões de exaltação e gratidão a Deus, para só depois falar de nossas necessidades. É preciso também lembrar o caráter dispensacional da oração ensinada por Jesus. Ela foi dada numa época quando a igreja ainda não existia e o Espírito Santo estava com os discípulos, mas não habitava neles. No Evangelho de João Jesus lhes disse: “o Espírito da verdade… vive com vocês e estará em vocês” (Jo 14:17).

Estas coisas só aconteceriam no dia de Pentecostes, no capítulo 2 de Atos. A partir daí todo aquele que é salvo por Jesus desfruta da presença do Espírito Santo habitando em si, individualmente, e na igreja, coletivamente. Enquanto Jesus estava no mundo o Espírito Santo agia nos discípulos de fora para dentro. Hoje o Espírito Santo Consolador age no crente de dentro para fora.

Daí a diferença entre a oração que Jesus ensinou aos discípulos e a que o cristão hoje tem o privilégio de colocar em prática. Paulo escreve em Romanos 8:26: “O Espírito nos ajuda em nossa fraqueza, pois não sabemos como orar, mas o próprio Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis. E aquele que sonda os corações conhece a intenção do Espírito, porque o Espírito intercede pelos santos de acordo com a vontade de Deus” (Rm 8:26-27). Continue lendo »


Ora, numa grande casa não somente há vasos de ouro e de prata, mas também de pau e de barro; uns para honra, outros, porém, para desonra. 2 Timóteo 2:20 Poderia me explicar ?

Resumindo muito: No mesmo lugar tem gente que vai para o céu e gente que vai para o inferno.

.

Germano, o que você sente ao responder tantas dúvidas, muitas vezes estúpidas, sobre uma sabedoria que pode levar alguém para o gozo eterno ou para o sofrimento eterno? Bate-lhe uma tristeza, vez ou outra? A paz.

Sinto que as pessoas precisam ler a Bíblia. A grande maioria das perguntas aqui são questões muito simples e todas tem resposta na Palavra de Deus. Acontece que as pessoas não leem a Bíblia.

.

Germano,se o Velho Testamento digamos foi “abolido”, porque precisamos cumprir os dez mandamentos de DEUS ?

Os dez mandamentos de Deus foram dados para os judeus no deserto do Sinai, não para nós que nem judeus somos. Tudo o que precisamos saber e fazer está no Novo Testamento. Entenda que NOVO TESTAMENTO é um testamento que anula o TESTAMENTO ANTERIOR. Vivemos a NOVA ALIANÇA, o Evangelho da GRAÇA DE DEUS. Não precisamos cumprir nenhuma lei. Jesus já cumpriu tudo por nós. Isso é salvação. Continue lendo »


Qualquer oração deve começar de cima para baixo, de Deus para o homem. Portanto é bom você iniciar exaltando ao Pai pelo que ele é e ao Filho que consumou a obra que nos trouxe salvação. Se você se encontrasse com alguma grande personalidade da história, como iniciaria a conversa? Provavelmente mencionando algum feito admirável daquela pessoa. Faça o mesmo quando falar com o Pai. Diga a ele o quanto significou para você o fato de ter enviado seu Filho ao mundo para morrer.

Muitos acreditam que a expressão “venha o teu reino” esteja se referindo ao reino milenar de Cristo neste mundo, mas não é assim. O que costumamos chamar de milênio, ou reino de mil anos de Jesus, é um estado intermediário e não o final da história. É o reino do Filho do Homem, não o reino do Pai do qual Jesus fala na oração ao dizer “o teu reino”. No milênio ainda haverá mortes e no fim uma guerra de grandes proporções. Veja esta passagem de 1 Coríntios 15:

“Então virá o fim, quando ele [Jesus] entregar o Reino a Deus, o Pai, depois de ter destruído todo domínio, autoridade e poder. Pois é necessário que ele reine até que todos os seus inimigos sejam postos debaixo de seus pés. O último inimigo a ser destruído é a morte. Porque ele ‘tudo sujeitou debaixo de seus pés’. Ora, quando se diz que ‘tudo’ lhe foi sujeito, fica claro que isso não inclui o próprio Deus, que tudo submeteu a Cristo. Quando, porém, tudo lhe estiver sujeito, então o próprio Filho se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, a fim de que Deus seja tudo em todos” (1 Co 15:24-28). Continue lendo »